sábado, 14 de abril de 2018

Melgaço: a arte de bem receber!





Dizem que a alma se alimenta do sabor e o corpo daquilo que sobra.
Alvarinho. Delicada frescura
Ferreiros de Cima, Alvaredo - 4960-010 Alvaredo


Rumar a Melgaço é sem dúvida uma excelente decisão! Uma terra que se afirma como "o destino de natureza mais radical de Portugal" é sobretudo, na minha opinião, um bom local para bem comer, beber e viver.

Fui lá por estes dias, no âmbito do evento enogastronómico ‘Lampreia do Rio Minho – Um Prato de Excelência’, e o fim de semana voou. Fico sempre com esta sensação quando me sinto muito bem e quero aproveitar todos os minutos. Regressei a casa com imensa vontade de voltar a esta terra que ainda me deixou com tanto por descobrir. 

O que andei por lá a fazer? Vou partilhar convosco! Comecemos pelos pratos e copos: 

🔶 Jantar vínico de harmonização da Lampreia do Rio Minho:
‘Uma Nova Visão da Lampreia do Rio Minho’


O Chef Vitor Matos, responsável pela cozinha do Vidago Palace Hotel, preparou pratos exclusivos para este evento, harmonizados com os Alvarinhos Quintas de Melgaço, Reguengo de Melgaço, Castaboa Alvarinho e Soalheiro. O jantar decorreu no Monte Prado Minho




1ª Harmonização

Lâminas de Lampreia fumada, queijo fresco de cabra Prados de Melgaço
Beterraba e balsâmico velho, capuchinhas
Castaboa Alvarinho 2016





2ª Harmonização
Lampreia cozinhada a baixa temperatura com arroz de berbigão e coentros
Algas, molho de Alvarinho de Melgaço e citronela
QM Nature Alvarinho 2016



3ª Harmonização
Cevadinha cremosa de Lampreia fumada com salpicão de Melgaço IGP Quinta de Folga
Cogumelos e espinafres
QM Vinhas Velhas 2016




4ª Harmonização
Lampreia com molho de vinho tinto, trufa negra, puré de aipo assado e especiarias
Terrina de rabo de boi e funcho
Soalheiro Oppaco 2014




5ª Harmonização
Bucho doce de Melgaço, creme de limão, bergamota e laranja confitada
Sorvete de yuzo, cidreira e panacotta de leite de cabra e lima-kaffir
Reguengo de Melgaço Espumante Reserva Alvarinho 2015


Pratos cheios de criatividade, onde estão bem presentes o profissionalismo e empenho de quem os pensa, confecciona, emprata e serve. Mais uma experiência única, irrepetível e memorável. 



🔶 Almoço no Restaurante Chafarix

Um espaço onde seria cliente assídua se vivesse nas proximidades. A qualidade dos produtos servidos é excelente e o atendimento foi irrepreensível. A simpatia dos proprietários e o amor que depositam no que fazem refelecte-se em cada pedaço do que se come. Adorei e super recomendo!



Presunto e outro produtos de fumeiro - produção própria

Lampreia à Bordalesa

Arroz de Lampreia

Bacalhau ao Alvarinho

Naco grelhado
Endereço: Praça Amadeu Abílio Lopes, Melgaço
http://chafarix.com


🔶 Jantar no Restaurante Tasquinha da Portela

Boa comida, ambiente acolhedor, simpático e um serviço muito atencioso. Sabem receber e bem tratar os clientes. A voltar!

Endereço: Portela Paderne, 4960-263 Melgaço


🔶 Almoço no Restaurante do Hotel Miracastro

Um espaço tranquilo, harmonioso, onde se pode usufruir de uma boa refeição. O cabrito estava excelente e a conversa, sábia, do proprietário tornou a experiência única. Nas suas palavras, ali é que a carne é boa pois "abaixo dos 500mt só há bom peixe". Adorei a expressão e as explicações acerca de Castro Laboreiro. Recomendo!

Endereço: Vila de Castro Laboreiro, 4960-095 Castro Laboreiro




Locais onde fiquei alojada e aos quais gostaria de voltar, com mais tempo, para desfrutar dos maravilhosos espaços interiores e exteriores.

🔶 Casa da Cevidade

Espaço muito calmo, bonito e agradável, totalmente integrado na natureza. Um local excelente para fugir ao reboliço das cidades, mas ainda assim ter acesso a tudo o que é necessário para passar uns dias maravilhosos.



Lugar da Cevidade, 4960-223 Paderne, Melgaço
www.casadacevidade.com


🔶 Quinta da Calçada

Bonita casa senhorial, com excelentes espaços envolventes e vistas incríveis da paisagem minhota. Local acolhedor, genuíno, repleto de pormenores que merecem ser apreciados.


Lugar de São Julião, União das Freguesias de Vila e Rouças, 4960- 614 Melgaço
www.quintadacalcada.com



🔶 Termas de Melgaço
"As propriedades termais das Águas do Peso são reconhecidas e valorizadas desde há muitos anos, mais propriamente desde 1884, aquando da cura da esposa de um médico de Vila Nova Cerveira, que sofria de uma doença de estômago. Desde então, estas termas passaram já por vários momentos, alguns mais áureos que outros. Passeando pelo Parque Termal, rodeado de uma frondosa vegetação onde passa a ribeira da Bouça Nova, descobrimos as duas nascentes – a Fonte Principal e a Fonte Nova ou Galeria Nova –, a Buvete – um imponente edifício da arquitetura do ferro, desenhada pelo Engenheiro Luís Couto dos Santos –, o Balneário – um exemplar da arquitetura do ferro de dimensões e monumentalidade menores –, a Oficina de Engarrafamento – uma discreta construção industrial –, e o antigo Hotel do Peso – em ruínas, relembrando-nos os tempos em que por aqui não faltavam banhistas.

Hoje, após uma obra profunda de reabilitação e de remodelação total, está dotado de espaços que, conjuntamente com equipamentos de grande qualidade, se complementam perfeitamente para a prática de tratamentos integrados destinados às indicações terapêuticas proporcionadas pela água de Melgaço, pare, respire e aproveite. As termas de Melgaço com águas admiradas pelos seus poderes curativos reconhecidos ao longo dos anos, são um verdadeiro refúgio para os sentidos, será apenas mais um motivo para voltar a esta bela Vila!"
A simpatia contagiante e o profissionalismo da equipa responsável pelo espaço e pela realização dos tratamentos é merecedora de destaque. A massagem que recebi foi maravilhosa e uma experiência a repetir! Como se não bastasse toda a atenção que me dedicaram, ainda me surpreenderam com a oferta de dois vouchers personalizados.








Como podem perceber há muito para ver e fazer em Melgaço. Um fim de semana é bom para começar a descobrir tudo o que esta terra tem para nos oferecer, mas saímos de lá com vontade de voltar com mais tempo.

"Há muito mais para se descobrir no Município mais a norte de Portugal: A par da sugestão gastronómica, há propostas culturais, entusiasmando à descoberta da riqueza patrimonial e paisagística da região. Em Melgaço há um programa de animação com actividades de turismo natureza ou aventura (como rafting, caminhadas, rapel, salto pendular, arvorismo, slide, escalada, passeios pedestres), visitas aos espaços museológicos da rede Melgaço Museus, visitas e provas nas adegas aderentes Rota do Vinho Alvarinho e também visitas a produtores de artesanato e de fumeiro."



Sugestões de visita:

Branda da Aveleira
   ·         Conhecer a aldeia, as cardenhas (pequenas construções rústicas para turismo rural), o lago

Lamas de Mouro
·         Porta de Lamas de Mouro: conhecer a envolvente e o núcleo museológico

Castro Laboreiro
·         Castelo de Castro Laboreiro – classificado como monumento nacional
·         Igreja Matriz de Castro Laboreiro - século IX e segunda metade do século XVIII
·         Núcleo Museológico de Castro Laboreiro: representações de tradições
·         Pelourinho de Castro Laboreiro, datado do século XVI, classificado como imóvel de interesse público
·         Igrejas medievais
·         Fornos comunitários
·         Espigueiros
·         Moinhos
·         Rio Laboreiro / cascatas
·         Ponte Nova ou da Cava da Velha

Outras recomendações: Torre de Menagem, o Espaço Memória e Fronteira, o Museu de Cinema Jean Loup Passek e o Solar do Alvarinho.


Próximos eventos

Melgaço não pára e brevemente há uma festa a não perder: Festa do Alvarinho e do Fumeiro.



Festa do Alvarinho e do Fumeiro de Melgaço (FAFM)  








domingo, 1 de abril de 2018

A Páscoa está de volta!




Alma Lusa


A 3ª edição da Alma Lusa Magazine* está nas bancas e por lá também há um pouco da nossa Alquimia.

As receitas já aqui tinham sido partilhadas convosco, mas, porque é Páscoa, faz todo sentido relembrá-las, confeccioná-las e levá-las às nossas mesas.


*"Alma Lusa é uma publicação direccionada à comunidade de língua portuguesa e às raízes populares de Portugal na América."



A toda a equipa responsável por pôr esta revista nas mãos de tantos portugueses que gostam de manter viva a nossa cultura, incluindo a gastronómica, aqui fica o meu muito obrigada.
Votos de muito sucesso, porque o merecem!


As receitas que recomendo são estas:



Folar de Valpaços

Ingredientes:

  • 400g de farinha
  • 5 ovos
  • 60g de manteiga
  • 60g de banha
  • colher de sopa de azeite
  • 12g de fermento de padeiro
  • 1 gema
  • Leite, sal, farinha e banha q.b.
  • 100g de salpicão
  • 100g de linguiça (chouriço de carne)
  • 100g de presunto
  • frango pequeno corado


Preparação:

Peneira-se a farinha com um pouco de sal num alguidar vidrado e faz-se uma cova no meio. Desfaz-se o fermento de padeiro em 0,5 dl de água tépida, deita-se na cova da farinha e vai-se envolvendo nela.

Colocam-se os ovos inteiros com a casca numa tigela e cobrem-se com água morna. Alguns minutos depois, abrem-se para dentro da farinha (sempre ao centro) e vai-se fazendo absorver a farinha trabalhando-a a partir do centro. Derrete-se as gorduras em lume brando. Junta-se à massa e trabalha-se tudo adicionando água necessária até obter uma massa fina. A seguir, bate-se a massa com as mãos até esta se desprender completamente do alguidar.

A massa considera-se bem batida quando aparecem uma bolhas à superfície. Nesta altura polvilha-se a massa com um pouco de farinha, cobre-se com um pano e envolve-se o alguidar com um cobertor. Coloca-se num local tépido e onde possa receber um pouco de calor indirecto. A massa leva 2 horas a levedar. Está levedada quando atingir o dobro e apresentar um aspecto rendado. Tem-se um tabuleiro rectangular, cujos bordos não devem exceder 8 cm de altura, muito bem untado com banha.

Cortam-se o chouriço e o salpicão às rodelas, o presunto às tiras e desossa-se o frango limpando-o de peles e ossos e desfazendo-o em pedaços. Divide-se a massa em três partes, devendo uma delas ser um pouco maior. Estende-se esta parte maior e forra-se com ela o fundo e os lados do tabuleiro. Espalha-se por cima metade da porção das carnes e cobre-se com a segunda parte da massa, sobre a qual dispõem as restantes carnes. Finalmente, tapa-se o folar com a terceira parte da massa e unem-se os bordos a esta camada final.

Deixa-se levedar novamente o folar até aparecerem bolhas de ar na superfície. Nesta altura, pincela-se com gema de ovo e leva-se a cozer em forno bem quente durante cerca de 45 minutos.



Cordeiro com arroz de forno à Marco de Canaveses







Pão-de-ló de Viseu (Beira Alta)

A receita aqui: Pão-de-ló de Viseu





Pão de Ló de Ovar

A receita aqui: Pão de Ló de Ovar