sábado, 24 de janeiro de 2015

Fondant de chocolate




Há uns (poucos) meses atrás a nossa cozinha recebeu uma visita especial! Certamente estão recordados -se não estão, eu relembro-os - da bela ajudante Cuisine Companion da Moulinex

Nessa ocasião preparei um delicioso Bolo de Maçã e fiquei muito bem impressionada com o potencial desta máquina. Claro que foi uma tristeza quando me despedi dela!

Mas, como diz o provérbio: O bom filho a casa torna! E ei-la que regressou! Desta vez veio para ficar e vai ser uma alegria experimentar as inúmeras receitas (como a que apresento hoje) que o fantástico livro traz.

E como não poderá deixar de ser (quem costuma visitar este blog já o sabe), vou pôr esta beldade a cozinhar português :)


Conto convosco para acompanharem as novidades! ;)





Bem... agora que as apresentações estão feitas, passemos à receita desta deliciosa tentação de chocolate.


Ingredientes

  • 200g de chocolate negro (usei 70%)
  • 100g de manteiga
  • 3 ovos
  • 120g de açúcar moreno
  • 150g de amêndoa moída
  • 6g de fermento químico


Preparação

1 - Aqueça previamente o forno a 180ºC.

2 - Coloque a manteiga e os cubos de chocolate na taça com a lâmina para amassar/triturar. Ligue o aparelho na velocidade 3 a 45ºC durante 10 minutos.

3 - Junte os ovos, o açúcar, a amêndoa e o fermento, seleccione o programa de massa P3.

4 - Revista uma forma com rebordos altos com papel vegetal. No final do programa, deite a preparação na forma e deixe cozer durante cerca de 20-30 minutos.

5 - Deixe arrefecer antes de saborear o bolo.




Receita nº 259 do livro 1 milhão de menus - Moulinex Cuisine Companion

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Coelho à Bruxa de Valpaços (na tagine)



“Nascida em Valpaços, no século XIX, a Bruxa de Valpaços tornou-se conhecida mais pelas suas qualidades gastronómicas do que pelas suas feitiçarias”.

Esta receita, como todas as que são atribuídas à bruxa de Valpaços, é extraordinariamente bem temperada e saborosa.




Ingredientes (3-4 pessoas):

  • 1 coelho manso de cerca de 1kg
  • 750 g de batatas
  • 4 cebolas
  • 2 ramos de salsa
  • 4 dentes de alho
  • 3 cravos-de-cabecinha
  • 1 dl de azeite
  • 1dl de caldo de carne 
  • 0,5 dl de vinagre
  • toucinho, sal, pimenta e colorau doce q.b.

Preparação:

Arranje o coelho e corte-o aos bocados. Num tacho ou caçarola que vede muito bem (usei a tagine Le Creuset e é óptima) disponha uma camada de cebola às rodelas, 1 ramo de salsa, fatias finas de toucinho, sal, pimenta e colorau.

Coloque nova camada de cebola, outra de batata, os pedaços de coelho, mais toucinho, salsa picada, colorau, os alhos picados e os cravos-de-cabecinha.

Regue com o azeite, o caldo e o vinagre. Tape o tacho e leve-o ao lume brando, destapando-o apenas decorridas cerca de 2 horas, findas as quais deve estar pronto. Sirva imediatamente.





Receita: Tesouros da cozinha tradicional portuguesa




domingo, 4 de janeiro de 2015

Quiche com queijo de poivre noir



Tenho-vos apresentado algumas propostas de quiche/ tarte salgada, ou como lhe quiserem chamar.
Claro que há sempre a nossa favorita... e até ao momento só vos digo: esta é a tal!

De-li-ci-o-sa!

O que eu adorei apanhar as pimentinhas pretas lá pelo meio!

Recomendadíssima!


Aproveito para vos desejar um excelente 2015!

Abraços e beijinhos,

Olivia Rocha



Ingredientes:

  • 1 placa de massa quebrada
  • 100g de queijo BOURSIN PIMENTA PRETA
  • 2 tomates - maduros pequenos 
  • 1 chávena (chá) de cogumelos (laminados)
  • 4 azeitonas recheadas com pimento
  • 1 lombo de atum em conserva (1/2 lata)
  • 200ml de natas - culinária
  • 3 ovos- frescos
  • sal e pimenta q.b
  • q.b. de oregãos e tomilho - secos

Preparação:


Estender a placa de massa sobre a forma, picar o fundo e rechear: Distribuir os cogumelos (se usar de lata, escorra muito bem), o tomate sem peles e sementes, partido em pequenos pedaços, as azeitonas bem picadas e o atum lascado.
Esfarelar, grosseiramente, o queijo por cima dos ingredientes anteriores.

Bater as natas juntamente com os ovos, condimentar de sal, pimenta, oregãos e tomilho. Regar o recheio da quiche, com este preparado líquido.

Levar ao forno, pré-aquecido nos 200ºC, cerca de 25 minutos.






quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Arroz Doce de Cesto (Beira Alta)




Doce... como o Natal!

"É para mim o doce que mais consideraria no grupo de alimento de conforto, categoria que já ganhou designação internacional de “Comfort Food”. Os doces populares criaram raízes, evoluíram, e ficaram irremediavelmente associados a tradições. Não há festa ou romaria, ou casamento, sem um arroz doce. E também se fazia arroz doce nos conventos, parecendo-me que não deva ser integrado no grupo de doçaria conventual.
Parece fácil entender que o arroz doce vem possivelmente dos mouros que habitaram o território antes da independência portuguesa. Aliás ainda hoje encontramos em todo o Magrebe receitas algo semelhantes às nossas. Eles por vezes servem em copos como sendo um creme ou ainda, em travessa, quase igual ao nosso.
Ingredientes simples e fáceis de identificar criaram uma variedade de receitas que permitem estabelecer um percurso por todo Portugal e entender as variantes da vasta gama de arroz doce. E comecemos pelo produto fundamental, o arroz, que tem que ser carolino. Depois vem o leite, o açúcar, a canela, os ovos, a casca de laranja ou limão. (...)"

ver crónica de Virgílio Nogueiro Gomes






Ingredientes:

  • 300 ml de água
  • 100 g de arroz carolino
  • Limão (uma lâmina da casca)
  • Uma pitada de sal
  • 1,2 l de leite gordo
  • 6 gemas
  • 250 g de açúcar 



Preparação:

Misturar o arroz, a água, a casca de limão e o sal e levar ao lume deixando ferver lentamente até que toda a água se tenha evaporado.

Adicionar o leite e deixar ferver lentamente até que o arroz esteja completamente cozido.
Misturar as gemas com o açúcar e juntar ao leite, fora do lume, mexendo bem.

Levar novamente ao lume até que as gemas cozam (não deixar ferver).

Retirar do lume e deitar o arroz-doce num prato fundo (usei cocottes le creuset - são liiiindas para oferecer assim recheadinhas).

Deixar arrefecer completamente e servir polvilhado com canela moída.


domingo, 21 de dezembro de 2014

Lasanha (verde) de frango e cogumelos, com queijo de cabra


♪♩♫♭♪♬♪♫♩♫♭ ♪
Ai lá fora o frio aperta
Mas não me posso queixar
Pois cá dentro está quentinho
E lá fora vai nevar, vai nevar
(...)



Nestes dias frios apetece-me comida quente e reconfortante... aposto que a vocês também!

Sabem o que me vem logo ao pensamento, quando estou com frio e fome? Massa... e Queijo derretido. Muito queijo! :D

Quem parece ter adivinhado isto foi a Lacticínios do Paiva, que gentilmente me enviou umas deliciosas amostras dos seus produtos. 

Preparem-se, que as receitas vêm aí ;)




Ingredientes:

  • 12 folhas de Lasanha com espinafres 
  • 1 cebola 
  • 2 dentes de Alho
  • 2 cogumelos frescos (grandes)
  • 500 gr de peito de frango 
  • 1 ramo de tomilho
  • 2 colheres de sopa de polpa de tomate
  • 1 tomate maduro sem pele e sementes (em pedaços)
  • 100g de Queijo curado de Cabra - Paiva

Molho Bechamel:
  • 500ml de leite
  • 40g de farinha
  • 40 gr de manteiga
  • Sal, pimenta e noz moscada q.b.


Preparação:

Molho Bechamel: Aqueça o leite numa panela. Quando estiver a ferver acrescente um pouco de sal, noz moscada e pimenta. Numa frigideira derreta a manteiga e incorpore-a com a farinha para evitar que o béchamel fique com grumos. Junte o preparado ao leite fervido e mexa com uma vara de arames. Quando o molho voltar a ferver vai engrossar. Retire do lume.

Recheio: Num tacho com azeite, refogue a cebola e alho picados, durante alguns segundos. Quando a cebola estiver macia junte a carne, tempere com sal, envolva e deixe fritar bem.

Pique a carne com uma colher enquanto frita, para que não cole. Quando a carne começar a ficar dourada, junte os cogumelos e um ramo de tomilho. Acrescente a polpa de tomate e o tomate triturado. Acrescente pimenta a gosto e deixe guisar em lume brando cerca de 15 minutos. Desligue o lume e reserve.

Mergulhe as placas de massa durante 3 minutos em água a ferver. Disponha-as numa travessa e junte um fio de azeite para não colarem.

(tradicional)
Unte um tabuleiro de forno com manteiga. Disponha o preparado em camadas pela seguinte ordem: molho béchamel, folha de lasanha, recheio de carne, folha de lasanha e volte a repetir o processo até terminar com uma camada de béchamel. No final, cubra a lasanha com o queijo ralado e leve ao forno pré aquecido a 200ºC, durante 20 minutos (ou até que esteja gratinado).

(como na foto)
Numa tajine (ou num tabuleiro/forma, na falta desta) verta um fio de azeite e por cima deste, um pouco de béchamel.
Enrole as folhas de lasanha e encha com elas a tajine (tabuleiro/forma). Encha-as com o recheio de carne e regue com o béchamel. No final, cubra com o queijo ralado e leve ao forno pré aquecido a 200ºC, durante 10 minutos (ou até que esteja gratinado).

Queijo curado de Cabra - Paiva

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Polvo na frigideira com arroz malandrinho


E porque já se pensa nas refeições natalícias...


"O polvo é um alimento presente na maior parte das ceias de Natal na região Norte de Portugal. Cada 100 g de polvo cru tem, aproximadamente, 77 kcal e 1,2 g de gordura. Este é um alimento de alto valor nutritivo, rico em vitaminas A e B, possuindo ainda um baixo teor de gordura e colesterol3.
Assim sendo, o polvo é uma excelente opção para uma Ceia de Natal saudável. Tenha atenção à forma de confecção, uma vez que a adição de gordura aumenta o seu valor calórico. O polvo deverá ser cozido em água a ferver com um pouco de sal. Depois de cozinhado, pode ser usado para preparar arroz de polvo ou polvo assado no forno com batatas assadas e temperado com pouco azeite. A quantidade de azeite adicionada não deverá ser superior a 1 colher de sopa de azeite (10 g) por pessoa."



Sugestões de cozedura:

1 - Num tacho leve o polvo a cozer, sem água e em lume baixo entre 50 minutos a 1 hora;
2 - cozer na panela de pressão, durante 20 minutos, a partir de que o apito comece a girar. O polvo irá cozer na própria água que vai largando.
3 - Cozer a vapor no robot de cozinha - Jarro com 1,3l de água, 120º, 50 minutos, velocidade 3. Coze na varoma (ou equivalente nas outras máquinas)

Obs.: Ultimamente tenho optado por cozer o polvo a vapor, pois além de gostar mais da textura, este mantém-se mais direitinho depois de cozido.




Polvo na frigideira

Ingredientes:

  • 800 g de polvo cozido
  • 2 colheres (sopa) de azeite
  • 1 fatia fina de presunto
  • 3 dentes de alho
  • salsa q.b

Preparação:


Quando o polvo estiver cozido (ver sugestões de cozedura), corte-o em pedaços grandes (reserve as pontas das pernas, para usar no arroz).

Leve ao lume uma boa frigideira (a minha Le Creuset) com o azeite, o alho socado com casca e o presunto cortado em tiras finas. Deixe saltear 1 minuto e junte o polvo.
Envolva-o na gordura da frigideira, sem deixar queimar.
Salpique de salsa e sirva quente, acompanhado do arroz malandrinho.



 

Arroz malandrinho (de polvo)

Ingredientes :

  • 200g de polvo
  • 1 cebola picada
  • 2 dentes de alhos picados
  • 2dl de azeite
  • 250g de arroz carolino
  • Sal q.b.
  • Pimenta q.b.
  • salsa q.b. (para polvilhar)

Preparação:

Num bom tacho (o meu Le Creuset) faça um refogado com o azeite, a cebola e os alhos. Assim que a cebola se apresente aloirada (sem queimar) adicione a água de cozer o polvo. Deixe ferver.

Junte o arroz, mais água (quente) se for necessário, tempere com sal (cuidado porque o polvo é salgado) e pimenta. Deixe cozer 15 minutos.

Adicione o polvo (as pontas das pernas e a cabeça), deixe ferver e junte a salsa ou coentros picados.

Tape, apague o lume e deixe repousar dois minutos antes de servir.

Sirva acompanhado do polvo na frigideira 




quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Grão com massa e chouriço à Portuguesa



"Contrariamente ao que poderia supor-se, tanto o macarronete como a aletria, esta sobretudo como doce, pertencem à culinária tradicional portuguesa. É muito possível que as massas alimentícias tenham sido introduzidas em Portugal pelos numerosos cidadão italianos que desde sempre habitaram no nosso país e de que há notícias desde a 1ª dinastia. O macarrão já no início do século XVIII era mencionado nas nossas importações. Na 1ª semana do mês de Outubro de 1740, entraram no porto de Lisboa 23 navios com carga diversa, entre a qual macaroni. O consumo devia ser importante, porquanto na praça da Ribeira Velha as padeiras ombreavam com outras vendedeiras que negociavam em "letrias", e nas Ruas Nova de Jesus e Caetano Palha havia no século XVIII fábricas de aletria. A orquestra de câmara que tocou numa festa oferecida no Palácio de Queluz no dia 22 de Junho de 1767 comeu à ceia, só à sua conta, 16 arráteis (7,400 kg) de macarrão. Ainda no Palácio de Queluz, e apenas em duas refeições - jantar e ceia -, a família real e seus convidados consumiram, entre outras iguarias, uma arroba (14,680 kg) de macarrão. E no Real Colégio dos Nobres, onde a alimentação era regulada, os estatutos prescreviam que nos dias festivos, anos régios, dia da Padroeira, etc., se acrescentasse um prato de macarrão à ementa habitual."

in, Tesouros da Cozinha Tradicional Portuguesa




Ingredientes (6-8 pessoas)

500g de macarronete
350g de grão
5l de água
200g de chouriço de carne
1 cebola
1 colher de sopa de banha
1 colher de chá de colorau doce
sal e pimenta q.b.

Preparação

Coza o grão, previamente demolhado 12 horas em água fria, em água suficiente, temperada com 1g de sal por litro. Coza o macarronete na água juntamente com o chouriço. Faça um refogado com a cebola picada e a banha e junte o chouriço cortado às rodelas, o colorau e pimenta. Mexa com uma colher de pau e adicione o macarronete e o grão bem escorridos. Rectifique os temperos de sal e pimenta, deixe tomar gosto e sirva em prato fundo.


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...