domingo, 23 de abril de 2017

Miminhos de coco



Miminhos de coco ou Quindim à minha moda!


Há muito que namoro o quindim e me sinto tentada a experimentar. Tem tudo o que gosto num doce... e são tão lindos :)

Mas, como já vos deve ter acontecido, vejo dezenas de receitas diferentes e fico sempre na dúvida qual será a mais fiel à original.

Bem, de todas as receitas que vi e me serviram de inspiração resultou este miminho doce que aqui partilho convosco.

Ficaram deliciosos, mas aceito sugestões, dicas e a "verdadeira" receita para poder experimentar e partilhar aqui o resultado.





Ingredientes:

  • 250g de açúcar
  • 100ml de água
  • 125g de coco ralado
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • 1 limão (raspa)
  • 1 colher (chá) de aroma de baunilha (opcional)
  • 3 gemas de ovo
  • 3 ovos

 

Preparação:


Pré-aquecer o forno a 180ºC.

Levar ao lume uma caçarola/tacho com o açúcar e a água. Deixar ferver, sem mexer, até atingir um ponto de fio fraco. Retirar do fogão.


Num recipiente juntar o coco, a manteiga, a raspa de limão, a baunilha (ou outro aromatizante, se preferir) e regar com a calda quente. Mexer até envolver tudo e a manteiga derreter.  Deixar arrefecer um pouco.


Numa taça (prefiro de louça, quando faço este tipo de doçaria) colocar um coador de malha fina e sobre este deitar as gemas e os ovos inteiros (isto impede que a membrana que envolve a gema se junte ao doce e lhe confira um sabor e textura desagradável).

Assim que os ovos tenham passado totalmente para o recipiente, retire o coador e envolva lentamente a gemada no preparado de coco. Misturar tudo muito bem, mas sem bater.

Untar pequenas formas com manteiga (uso um tabuleiro de queques), polvilhar com açúcar e encher com a mistura anterior.

Colocar as formas num tabuleiro (com o fundo coberto de água) e levar a cozer em banho-maria, durante cerca de 40 minutos.


Depois de cozidas, desenformar e deixar arrefecer.



OBS.:  Pode untar as formas enquanto o coco arrefece e os ovos coam. O tempo de cozedura pode variar, devido às diferenças de fornos. Antes de desenformar verificar a cor dos bolinhos e se estes se apresentam firmes ao toque.


sábado, 8 de abril de 2017

Sugestões para a Páscoa

O dia está lindo e o fim de semana promete sol. Tão bom, não é?

E sabem como o podem melhorar? Fazendo boas e deliciosas refeições!

Que tal experimentar alguma(s) receita(s), destas que vos sugiro ;)

Depois contem a(s) que escolheram e se possível partilhem as fotos. Adoro saber como vos correu a experiência.



Um abraço, com os votos de um soalheiro e doce fim de semana



(receitas - clicar na imagem)




                              

sábado, 11 de março de 2017

Arroz de curcuma

 

 

Curcuma não é açafrão


A curcuma e o açafrão vêm de plantas diferentes, de espécies diferentes, o que lhes confere um sabor distinto.

No entanto, há uma grande confusão entre estes dois ingredientes. Seja por desconhecimento, ou propositadamente, muitos mercados vendem curcuma em pó e chamam-lhe açafrão.

Esta “prima” do gengibre, também chamada turmérico, raiz-de-sol, açafrão-da-índia ou açafrão-da-terra, é usada há mais de 2 500 anos na Índia.

O açafrão é o estigma (pistilos) de uma flor (Crocus sativus), sendo que cada flor dessas tem só 3 estigmas. Para conseguir 1kg de Açafrão são necessárias cerca de 150 mil flores! O processo de extracção é totalmente manual e por isso não admira que esta seja uma das mais caras ou a mais cara especiaria que existe. Habitualmente, o açafrão compra-se na forma de pequenos filamentos secos.


À curcuma, apelidada de super raiz, atribuem-se propriedades anti-inflamatórias, antissépticas e anti-bacterianas, levando a que este tempero picante se transforme num medicamento natural.


Ler artigo: Curcuma, a super raiz que faz bem… a tudo

 

Curcuma - de formato idêntico ao gengibre, apresenta uma coloração mais intensa

 

Ingredientes:

  • 50 ml de azeite
  • 1 copo/taça de arroz (usei agulha)
  • 2 copos/taças de água
  • 1 raiz de curcuma (ralada) 
  • sal q.b.
* usar o dobro da água, em relação ao arroz. A dose, recomendada, de arroz (seco) por pessoa é de 70g.


Preparação:

No tacho/alguidar  colocar o azeite, o arroz, a curcuma ralada e envolver muito bem. Acrescentar a água, ajustar o tempero de sal e mexer, para separar os grãos de arroz.
Levar ao forno, pré-aquecido a 220ºC, e deixar cozer cerca de uma hora.

Nota: Pode aproveitar-se o forno para assar (ao mesmo tempo que se coze o arroz) carne/peixe/batatas... etc.





O arroz serviu de acompanhamento a um frango do campo, assado no forno.

Como entrada, segui a sugestão do senhor do talho (da minha rua): Cortei uma morcela às rodelas e levei à frigideira a tostar de ambos os lados.

Uma refeição deliciosa!


sábado, 4 de março de 2017

Bolo de maçã, gengibre, noz moscada e canela




O sábado é, por norma, o meu dia favorito da semana e acredito que o seja também para muitos de vós. Habitualmente faço mil planos, durante a semana, para este dia mas só quando acordo de manhã é que decido o que vou fazer. Só ao sábado me posso dar a este "luxo"... e nem sempre, pois há compromissos e "o que tem que ser, tem muita força"!

Para que me deu hoje? Limpezas! Acho que é o anunciar da primavera... Por esta altura do ano começa a dar-me vontade de mudar. De mudar! Sabem aquelas mudanças do 1 de Janeiro? Pois é... ando atrasada e só quando os dias começam a ficar menos frios e não tão pequenos é que meto "mãos à obra".

Das várias limpezas que fiz acabou por "nascer" este bolo. Não sei se vos acontece, mas a mim é frequente... Começo a fazer uma tarefa qualquer e quando dou por mim, estou a cozinhar :D 

Assim foi hoje! Comecei por "limpar" o correio e a páginas tantas encontrei um velho email que a minha querida amiga Dulce, do maravilhoso blogue Cozinha da Duxa, me enviou em 2013. De que se tratava? De uma receita de bolo de maçã, que me pareceu delicioso e me fez vir à memória as maçãs velhinhas e engelhadas que andavam na fruteira. Eram seis e tiveram um doce fim!

Viva o sábado, a amizade e a partilha!






Ingredientes:

  • 3 ovos
  • 240 g de açúcar
  • 2 maçãs raladas (usei o raspador - fino)
  • 125 ml de óleo
  • 240 g de farinha
  • 1 colher (sopa) de fermento
  • 1 colher (café) de canela
  • 1/2 colher (café) de noz moscada
  • 1 colher (café) de gengibre em pó
  • 1 maçã laminada em rodelas finas
  • 2 colheres (sopa) de açúcar demerara [ou outro, na falta deste]

Preparação:

Preaquecer o forno a 180º, untar uma forma com manteiga e polvilhar com farinha.

Na taça da batedeira colocar os ovos, o açúcar, a maçã ralada e bater bem.
Adicionar a farinha peneirada com o fermento, a canela, a noz moscada e o gengibre. Continuar a bater e juntar, em fio, o óleo. Bater tudo, até a massa começar a formar bolhas de ar (cerca de 2 minutos).

Deitar a massa na forma, laminar a maçã e dispor sobre o bolo, polvilhar com o açúcar, e levar ao forno cerca de 45 minutos, ou até o bolo ficar cozido (testar com um palito).

Retirar do forno, deixar arrefecer um pouco e desenformar.




domingo, 19 de fevereiro de 2017

Butelo com casulas




Festival do Butelo e das Casulas

24 a 26 Fev 2017, no Município de Bragança
O butelo é o exemplo acabado do bom aproveitamento do porco: envolvido pela bexiga ou pelo bucho, o humilde recheio de ossinhos do espinhaço e das costelinhas, com alguma carne agarrada, torna-se responsável pelas suas formas ventrudas e caprichosas e pelo seu inigualável sabor. Durante o Festival, será possível adquirir o butelo e as casulas, bem como todos os enchidos transmontanos e produtos hortícolas directamente aos produtores, num espaço instalado para o efeito na Praça Camões.

É costume comer este enchido artesanal, típico das casas do distrito de Bragança, no sábado de carnaval, acompanhado pelas cascas de feijão secas, a que também se chama casulas.

Decorrerá em simultâneo a Semana Gastronómica do Butelo e das Casulas de Bragança nos restaurantes aderentes.

Além da visita ao Festival do Butelo e das Casulas e da obrigatória degustação deste enchido aproveite para assistir e participar no Carnaval dos Caretos que acontece sábado, dia 25 de fevereiro. 

Informação: Rota da Terra Fria Transmontana





Ingredientes

  • 1 butelo
  • 500g de casulas (ou cascas)
  • 1 chouriço (caseiro - transmontano)
  • 1 cebola
  • 4 batatas
  • azeite virgem extra (transmontano)

Preparação:

Pôr as casulas de molho de véspera.
Colocar o butelo a cozer, em água a ferver, durante cerca de 2h30 a 3 horas (em função do tamanho).

Noutro tacho, ferver água com sal, deitar as cascas escorridas, uma cebola e a chouriça. A cozedura verifica-se através dos feijões. Em geral, esta cozedura demora pouco mais de 1 hora.

Num outro tacho, cozer as batatas.


Fevereiro, 2015 - com Lígia Santos e Confraria do Butelo e da Casúla em Restaurante Foz Velha



segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Arroz de forno em Barro negro de Bisalhães

 

 

Olaria Negra de Bisalhães declarada Património da Unesco

Leia mais: Olaria Negra de Bisalhães declarada Património da Unesco 

 

As mãos que moldam a Louça Preta de Bisalhães


Quem entra na Cidade de Vila Real, vindo da primeira saída do IP4, antes de chegar ao centro da cidade, depara-se com cinco casinhas em madeira, propriedade da câmara, que albergam os artesãos da louça de Bisalhães.

Só uma delas está invariavelmente aberta, a que pertence ao Sr. Manuel Martins, 75 anos e artesão da louça negra a tempo inteiro, mas que ainda tem “vagar para fazer algum trabalhinho no campo, ca vida está ruim e temos que tirar da terra qualquer coisinha para encher o estômago”.

A porta da casinha do artesão abre-se quase sempre de segunda a sábado, pois ao “Domingo é dia do descanso do senhor”, e o ritual é sempre o mesmo, abrir as portas, levantar os taipais, alinhar no passeio a louça com os mais variados artigos, e esperar, sentado no banquinho ao sol de Inverno ou abrigado de ventos e chuva, que apareçam os compradores, pois a actividade é lucrativa e “produz”, a julgar pelas palavras do artesão: “temos dias de tudo, mas isto produz”.

As mãos calejadas e marcadas pelo tempo e pela labuta diária, seja na arte de trabalhar o barro ou da lida do campo, lá vão pegando na louça para mostrar aos visitantes, explicando para que servem as peças mais estranhas, ou desmistificando o sabor que o barro negro pode deitar à comida, afirmando com entusiasmo “é uma maravilha, isto é saudável. Um arroz de forno com este alguidar é de lamber os beiços menino”. 

Reportagem "Tribuna Douro"



Ingredientes:

(para 6 pessoas)
  • 50 ml de azeite
  • 1 cebola média
  • 500 g de arroz (usei agulha)
  • 1 L de caldo de carne (ou legumes)
* façam um caldo caseiro (cozendo rabo de boi/carne/frango, cebola, cenoura, aipo, alho francês, salsa...). Podem preparar em quantidade maior e congelar, para futuras utilizações.

Preparação:


Ligar o forno a 220ºC. Cortar a cebola em rodelas finas. Ferver o caldo de carne ou legumes.

No tacho/alguidar colocar o azeite, a cebola, o arroz e envolver muito bem. Acrescentar o caldo, ajustar o tempero de sal e mexer, para separar os grãos de arroz.

Levar ao forno e deixar cozer cerca de uma hora.

Nota: Pode aproveitar-se o forno para assar (ao mesmo tempo que se coze o arroz) carne/peixe/batatas... etc.

Obs.: Se o arroz começar a tostar em demasia, cobrir com folha de alumínio.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Bolo de laranja


Bolos de laranja há muitos!


Com farinha, sem farinha, com e sem ovos, mais ou menos açúcar... há-os para todos os gostos, tipos de dieta e (in)tolerâncias alimentares.


Hoje resolvi fazer (mais) um e como aconteceu com quase todas as outras receitas de bolo que há cá no blogue, fui ver o que havia no armário da cozinha. Havia farinha de arroz e fécula de batata a precisarem de ser gastas.

A decisão foi fácil de tomar e o bolo, ainda mais, fácil de fazer.

Publiquei no facebook e as perguntas sobre as substituições não se fizeram esperar :)

Sim... podem substituir estas farinhas por outras. Naturalmente o resultado final será diferente, em termos de textura, sabor, etc... Mas o bom da cozinha é mesmo isto! Experimentem!!!

Vá, depois contem ;)

Tenham um bom e delicioso fim de semana!

 

 

Bolo de laranja


Ingredientes:

  • 3 ovos
  • 1/2 chávena de óleo
  • 1 laranja* com casca
  • 1 chávena de açúcar
  • 1 e 1/2 chávena de farinha de arroz
  • 1/2 chávena de fécula de batata
  • 1 colher (sopa) de fermento
 * usei uma laranja média com bastante sumo (se a vossa for menor ou menos sumarenta, juntem o sumo de outra laranja)

Preparação:


Colocar todos os ingredientes no liquidificador (por esta ordem: ovos, oleo, laranja partida e sem pevides, farinhas e fermento) e bater bem. Levar ao forno (180ºC), em forma untada, cerca de 45 minutos.

Obs: Se não tiver este aparelho, use a varinha mágica. Ou bata o bolo normalmente, usando o sumo e a raspa da laranja.


domingo, 8 de janeiro de 2017

Triângulos doces | Doce de ovos



O Doce de bradar aos céus!!


"A massa do doce de ovos usada, embora consistente, é muito cremosa e obtida exclusivamente através de açúcar em ponto e gemas de ovos muito frescos, na sua confeção, não deve ser mexida em círculo (para não ficar estriada), mas aproximando e afastando a colher do operador.

Às gemas de ovos, depois de cuidadosamente desclaradas e misturadas, junta-se cerca de metade do peso de açúcar em ponto, de «estrada» a «bola rija», já frio. Mexendo sempre para o mesmo lado com a colher de pau, evitando os círculos, leva-se ao lume até se ver o fundo da caçarola de cobre."
Wikipédia. Consultado em 2017.01.08.


Triângulos doces | Doce de ovos

 

Ingredientes:


Doce de Ovos
  • 12 Gemas de ovo (240 g)
  • 400 g Açúcar
  • 200 ml Água
Pastel
  • Massa Filo (uma embalagem)
  • Manteiga (derretida)
  • Açúcar em pó (para polvilhar)

Preparação:


Doce de Ovos
  1. Colocar a água com o açúcar num tacho até atingir o ponto pérola (107 ºC).
  2.  Colocar as gemas numa taça.
  3.  Adicionar o ponto de açúcar em fio às gemas mexendo sempre.
  4.  Levar ao lume a cozer mexendo sempre no fundo do tacho em forma de cruz.
  5.  Retirar do tacho e reservar. (Deixar arrefecer)

Pastel

Cortar as folhas de massa filo a meio (no sentido do comprimento). Dobrar cada metade a meio (novamente no sentido do comprimento).

Colocar uma colher (sobremesa) de doce de ovos no canto inferior direito da massa e dobrar, sobre si, obtendo um triângulo e novamente, sobre si, de forma a obter almofadinhas triangulares (ver imagem).



Pincelar, levemente, a superfície dos triângulos de massa com manteiga (derretida) e levar ao forno pré aquecido nos 210ºC, durante cerca de 15 minutos (ou até tostarem levemente)

Polvilhar com açúcar em pó.



NOTA: para manter a massa filo sem secar, colocar por cima da mesma um pano humedecido (muito bem torcido)

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Pavlova Festiva

 

Então é (quase) natal!


A casa não tem enfeites, à semelhança de anos anteriores, mas na mesa vai sendo natal o ano todo.


Crocante por fora, macia por dentro... doce, com um travo de acidez. Uma sobremesa cheia de contrastes de sabor e cor, que alegra a vista e adoça a boca. 

E não há mesa onde não ficasse bem esta Pavlova festiva. Concordam?

 

 

 

Ingredientes

Pavlova:
  • 6 claras de ovo
  • 300 gramas de açúcar 
  • 1 colher (chá) de extracto de baunilha
  •  2 colheres (chá) de sumo de limão
  •  2 colheres (chá) de amido de milho (tipo maisena) 
Molho (coulis) de frutos vermelhos:

  • 200 g de morangos
  • 100 g de framboesas
  • 100 g de açúcar

cobertura:

  • 200 ml de natas frescas para bater
  • 1/2 chávena (chá) de molho de frutos vermelhos
  • romã (para guarnecer)
  • framboesas (para guarnecer)
  • bombons de chocolate branco e coco (para guarnecer)

Preparação:

Pavlova: 
 
Pré aqueça o forno a 130ºC.
Forre um tabuleiro com papel manteiga (papel vegetal) e desenhe dois círculos no papel (usei um prato grande e um pequeno). Vire o papel, de modo que os círculos fiquem no lado inverso.

Para fazer a Pavlova primeiro bata as claras até formar picos moles. Em seguida, adicione o açúcar, uma colher de sopa de cada vez, e continue a bater até o merengue formar picos duros e brilhantes.

Junte o extracto de baunilha. Com uma espátula de borracha, envolver delicadamente o amido de milho e o sumo de limão. (Adicionando estes dois ingredientes vai dar à Pavlova uma crosta tostadinha)

Coza durante 90 minutos ou até o exterior estar seco e com uma cor creme pálida. Desligue o forno e deixe o merengue esfriar completamente. (A parte externa do merengue vai-se sentir firme ao toque, se suavemente pressionado. O interior fica macio, semelhante a marshmallowy.)

Nota: O merengue depois de frio pode ser armazenado em local fresco e seco, num recipiente hermético, por alguns dias.



Molho (coulis) de frutos vermelhos:

Coloque os frutos numa caçarola, junte o açúcar e leve ao lume brando até estes ficarem macios e o molho com a consistência de xarope. Retire e deixe arrefecer. 

Cobertura:
Bata as natas  até obter picos firmes e suavemente (sem bater) envolva-lhe o molho de frutos vermelhos.
Espalhe este creme por cima da pavlova (dispondo colheradas lado a lado) e decore a gosto.

domingo, 27 de novembro de 2016

Rabo de boi na tagine

 

Foi o tempo que perdi com a minha rosa que a fez tão importante. 

Saint-Exupéry, Antoine de


E é o tempo que dedicamos ao que fazemos que torna tudo mais ou menos especial.

Este podia ser um rabo de boi como outro qualquer, não tivesse havido tempo, paciência, dedicação e amor (sim, amor) para o tornar diferente.

Como já vos confidenciei, noutras ocasiões, tenho um profundo respeito pelos alimentos pois além de estar grata por viver numa sociedade e num contexto económico que me permite ter sempre um prato de comida às refeições, tenho a sorte de ser um "bom garfo" e de gostar de tudo, desde que bem feito!

Tal como é meu costume, fui ao talho e olhei a montra várias vezes à espera de encontrar um pedaço de carne apetitoso e que me faça traçar-lhe planos, logo ali.

Reparei neste rabo de boi que tinha muito boa cor e me pareceu muito fresco. Pedi-o!
O sr. do talho (no caso, é mais o rapaz do talho) partiu-mo e preparou-o de um jeito que me deixou impressionada com tamanho perfeccionismo. Todo arranjadinho lado a lado, voltado para cima, pedaços pequenos casados com outros maiores... Impressionante!

Vim toda contente embora, convencida que trazia ali algo especial, que merecia continuar a ser bem tratado.

E assim foi! Acredito que o rapaz do talho ficaria feliz ao saber que as clientes tratam bem a carne que ele prepara com a tal paciência, dedicação e amor. Sim, amor!

 

Avinhado, abafado... e ao lume lento.
 

Rabo de boi na tagine

 

Ingredientes:

(para 3/4 pessoas)

  • 1 rabo de boi
  • 1colher (sopa) de banha
  • 1colher (sopa) de manteiga
  • 1colher (sopa) de azeite 
  • 1 cebola média 
  • 3 dentes de alho
  • ½ garrafa de vinho tinto (usar um bom maduro)
  • 100 ml de caldo de carne*
  • 1 folha de louro 
  • 1 colher (café) de pimenta em grão  
  • sal q.b.

* façam um caldo caseiro (cozendo rabo de boi/carne/frango, cebola, cenoura, aipo, alho francês, salsa...). Podem preparar em quantidade maior e congelar, para futuras utilizações.

 

 

Preparação:


Com umas horas de antecedência (melhor se de véspera) coloque num recipiente os alhos esmagados (com casca), o sal, a pimenta, a folha de louro e o rabo de boi. Regue com o vinho e deixe marinar.

Coloque as gorduras (banha, azeite e manteiga) num tacho de ferro e aloure, levemente, a cebola cortada em rodelas finas.

Disponha os pedaços de rabo de boi lado-a-lado, regue com a marinada e tape o tacho.

Deixe cozinhar em lume muito brando, com o tacho sempre tapado, por cerca de 3h ou até que a carne fique macia.

A meio do tempo verifique se precisa de líquido e acrescente o caldo de carne.

Ajuste os temperos, se necessário e sirva quente.


Sugestão de acompanhamento: arroz, cozido em caldo de carne.



sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Bolo de laranja de liquidificador (com casca)



Até as cascas foram!


Ideal para acompanhar uma boa chávena de chá, este bolo é tão simples que se faz num abrir e fechar de olhos! Além disso, fica bastante económico e mantém-se húmido durante muito tempo… isto se aí em casa não forem muitas vezes ao armário (como eu). :D



Ingredientes

  • 2 laranjas pequenas com a casca (cerca de 150g cada)
  • 4 ovos
  • 2/3 de chávena (chá) de óleo
  • 1 e 1/2 chávena (chá) de açúcar
  • 1 e 1/2 chávena (chá) de farinha de trigo
  • 1/2 chávena (chá) de amido de milho
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó

Nota: a chávena/taça que usei tem a capacidade de 250 ml

 

Preparação:


Ligar o forno a 180°C
Untar e enfarinhar uma forma redonda de furo central (chaminé - ou outra à escolha).
Peneirar as farinhas e o fermento, para uma taça. Reservar

Cortar a laranja em 4 pedaços (retirar apenas os topos e a parte branca do meio).

No copo do liquidificador, colocar a laranja, os ovos, o óleo, o açúcar e bater até obter um creme homogéneo.

Verter o líquido numa taça e adicionar, aos poucos, as farinhas, envolvendo até obter uma massa cremosa.

Deitar a massa na forma reservada e levar ao forno por cerca de 45 minutos, ou até que um palito saia limpo, depois de espetado na massa.

Retirar do forno, deixar amornar e desenformar.

sábado, 19 de novembro de 2016

Doce fim de semana



A previsão, para este fim de semana, é de mau tempo... mas isso é lá fora ;)

Dentro de casa o aconchego é tãaaaao bom!

E sabem como pode melhorar? Ficando doce!

É por isso que vos aconselho algumas receitas, cujos ingredientes a maioria de vós até deve ter no armário. Mão à obra!?

Depois contem a(s) que escolheram e se possível partilhem as fotos. Adoro saber como vos correu a experiência.


Um abraço, com os votos de um aconchegado e doce fim de semana


(receitas - clicar na imagem)


                

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Às urtigas!



Mandar tudo às urtigas!

Não é o que vos apetece às vezes? Também a mim!

Sim, nesse sentido que estão a pensar. Mesmo nesse!!! ;)

Mas há que ter compostura... paciência, sapiência, etc e tal!

Por isso, meus caros, vamos lá todos às urtigas... mas só para fazer sopa e um chá. Ambos provados, aprovados e recomendados.

E se "googlarem" sobre isto vão ficar admirados (como eu fiquei) com as muitas utilidades e benefícios desta erva dos piquinhos :)

Veredicto: Gostei e tenciono consumir mais vezes. O sabor é bem agradável e o creme ficou muito suave e aveludado.


Nota: Recomendo precaução ao colher as urtigas, pois estas picam e provocam uma ligeira urticaria. Talvez o uso de luvas e uma tesoura sejam aconselháveis.




Receita para o robot Cuisine Companion da Moulinex

 

Sopa de urtigas


Ingredientes:

  • 1 cebola
  • 1 dente de alho
  • 3 colheres (sopa) de azeite
  • 1 batata
  • 1/2 curgete
  • 1/2 chuchu branco
  • 1 molho de urtigas 
  • 1/2 l de caldo de legumes
  • sal q.b.


Preparação:


Descasque a cebola e corte-a em quatro. Descasque o dente de alho.
Descasque a batata, a curgete, o chuchu e parta tudo em rodelas ou cubos. Lave e reserve.
Arranje as urtigas, aproveitado apenas as folhas (idêntico aos espinafres). Lave e reserve.

Coloque a cebola e o alho na taça com a lâmina picadora e pique 5 segundos, velocidade 12. Junte o azeite e refogue 3 minutos, velocidade 3 a 120ºC.

No final deste tempo, com a ajuda da espátula, baixe toda a cebola para o centro da taça. Junte todos os legumes e regue com o caldo, apenas até cobrir ligeiramente os legumes. Seleccione o programa de sopas P1 a 100 ºC durante 35 min.

Tempere com sal e sirva quente.

Sugestão: Regue com um pequeno fio de azeite e acompanhe com pequenos cubos de pão torrado.