domingo, 8 de janeiro de 2017

Triângulos doces | Doce de ovos



O Doce de bradar aos céus!!


"A massa do doce de ovos usada, embora consistente, é muito cremosa e obtida exclusivamente através de açúcar em ponto e gemas de ovos muito frescos, na sua confeção, não deve ser mexida em círculo (para não ficar estriada), mas aproximando e afastando a colher do operador.

Às gemas de ovos, depois de cuidadosamente desclaradas e misturadas, junta-se cerca de metade do peso de açúcar em ponto, de «estrada» a «bola rija», já frio. Mexendo sempre para o mesmo lado com a colher de pau, evitando os círculos, leva-se ao lume até se ver o fundo da caçarola de cobre."
Wikipédia. Consultado em 2017.01.08.


Triângulos doces | Doce de ovos

 

Ingredientes:


Doce de Ovos
  • 12 Gemas de ovo (240 g)
  • 400 g Açúcar
  • 200 ml Água
Pastel
  • Massa Filo (uma embalagem)
  • Manteiga (derretida)
  • Açúcar em pó (para polvilhar)

Preparação:


Doce de Ovos
  1. Colocar a água com o açúcar num tacho até atingir o ponto pérola (107 ºC).
  2.  Colocar as gemas numa taça.
  3.  Adicionar o ponto de açúcar em fio às gemas mexendo sempre.
  4.  Levar ao lume a cozer mexendo sempre no fundo do tacho em forma de cruz.
  5.  Retirar do tacho e reservar. (Deixar arrefecer)

Pastel

Cortar as folhas de massa filo a meio (no sentido do comprimento). Dobrar cada metade a meio (novamente no sentido do comprimento).

Colocar uma colher (sobremesa) de doce de ovos no canto inferior direito da massa e dobrar, sobre si, obtendo um triângulo e novamente, sobre si, de forma a obter almofadinhas triangulares (ver imagem).



Pincelar, levemente, a superfície dos triângulos de massa com manteiga (derretida) e levar ao forno pré aquecido nos 210ºC, durante cerca de 15 minutos (ou até tostarem levemente)

Polvilhar com açúcar em pó.



NOTA: para manter a massa filo sem secar, colocar por cima da mesma um pano humedecido (muito bem torcido)

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Pavlova Festiva

 

Então é (quase) natal!


A casa não tem enfeites, à semelhança de anos anteriores, mas na mesa vai sendo natal o ano todo.


Crocante por fora, macia por dentro... doce, com um travo de acidez. Uma sobremesa cheia de contrastes de sabor e cor, que alegra a vista e adoça a boca. 

E não há mesa onde não ficasse bem esta Pavlova festiva. Concordam?

 

 

 

Ingredientes

Pavlova:
  • 6 claras de ovo
  • 300 gramas de açúcar 
  • 1 colher (chá) de extracto de baunilha
  •  2 colheres (chá) de sumo de limão
  •  2 colheres (chá) de amido de milho (tipo maisena) 
Molho (coulis) de frutos vermelhos:

  • 200 g de morangos
  • 100 g de framboesas
  • 100 g de açúcar

cobertura:

  • 200 ml de natas frescas para bater
  • 1/2 chávena (chá) de molho de frutos vermelhos
  • romã (para guarnecer)
  • framboesas (para guarnecer)
  • bombons de chocolate branco e coco (para guarnecer)

Preparação:

Pavlova: 
 
Pré aqueça o forno a 130ºC.
Forre um tabuleiro com papel manteiga (papel vegetal) e desenhe dois círculos no papel (usei um prato grande e um pequeno). Vire o papel, de modo que os círculos fiquem no lado inverso.

Para fazer a Pavlova primeiro bata as claras até formar picos moles. Em seguida, adicione o açúcar, uma colher de sopa de cada vez, e continue a bater até o merengue formar picos duros e brilhantes.

Junte o extracto de baunilha. Com uma espátula de borracha, envolver delicadamente o amido de milho e o sumo de limão. (Adicionando estes dois ingredientes vai dar à Pavlova uma crosta tostadinha)

Coza durante 90 minutos ou até o exterior estar seco e com uma cor creme pálida. Desligue o forno e deixe o merengue esfriar completamente. (A parte externa do merengue vai-se sentir firme ao toque, se suavemente pressionado. O interior fica macio, semelhante a marshmallowy.)

Nota: O merengue depois de frio pode ser armazenado em local fresco e seco, num recipiente hermético, por alguns dias.



Molho (coulis) de frutos vermelhos:

Coloque os frutos numa caçarola, junte o açúcar e leve ao lume brando até estes ficarem macios e o molho com a consistência de xarope. Retire e deixe arrefecer. 

Cobertura:
Bata as natas  até obter picos firmes e suavemente (sem bater) envolva-lhe o molho de frutos vermelhos.
Espalhe este creme por cima da pavlova (dispondo colheradas lado a lado) e decore a gosto.

domingo, 27 de novembro de 2016

Rabo de boi na tagine

 

Foi o tempo que perdi com a minha rosa que a fez tão importante. 

Saint-Exupéry, Antoine de


E é o tempo que dedicamos ao que fazemos que torna tudo mais ou menos especial.

Este podia ser um rabo de boi como outro qualquer, não tivesse havido tempo, paciência, dedicação e amor (sim, amor) para o tornar diferente.

Como já vos confidenciei, noutras ocasiões, tenho um profundo respeito pelos alimentos pois além de estar grata por viver numa sociedade e num contexto económico que me permite ter sempre um prato de comida às refeições, tenho a sorte de ser um "bom garfo" e de gostar de tudo, desde que bem feito!

Tal como é meu costume, fui ao talho e olhei a montra várias vezes à espera de encontrar um pedaço de carne apetitoso e que me faça traçar-lhe planos, logo ali.

Reparei neste rabo de boi que tinha muito boa cor e me pareceu muito fresco. Pedi-o!
O sr. do talho (no caso, é mais o rapaz do talho) partiu-mo e preparou-o de um jeito que me deixou impressionada com tamanho perfeccionismo. Todo arranjadinho lado a lado, voltado para cima, pedaços pequenos casados com outros maiores... Impressionante!

Vim toda contente embora, convencida que trazia ali algo especial, que merecia continuar a ser bem tratado.

E assim foi! Acredito que o rapaz do talho ficaria feliz ao saber que as clientes tratam bem a carne que ele prepara com a tal paciência, dedicação e amor. Sim, amor!

 

Avinhado, abafado... e ao lume lento.
 

Rabo de boi na tagine

 

Ingredientes:

(para 3/4 pessoas)

  • 1 rabo de boi
  • 1colher (sopa) de banha
  • 1colher (sopa) de manteiga
  • 1colher (sopa) de azeite 
  • 1 cebola média 
  • 3 dentes de alho
  • ½ garrafa de vinho tinto (usar um bom maduro)
  • 100 ml de caldo de carne*
  • 1 folha de louro 
  • 1 colher (café) de pimenta em grão  
  • sal q.b.

* façam um caldo caseiro (cozendo rabo de boi/carne/frango, cebola, cenoura, aipo, alho francês, salsa...). Podem preparar em quantidade maior e congelar, para futuras utilizações.

 

 

Preparação:


Com umas horas de antecedência (melhor se de véspera) coloque num recipiente os alhos esmagados (com casca), o sal, a pimenta, a folha de louro e o rabo de boi. Regue com o vinho e deixe marinar.

Coloque as gorduras (banha, azeite e manteiga) num tacho de ferro e aloure, levemente, a cebola cortada em rodelas finas.

Disponha os pedaços de rabo de boi lado-a-lado, regue com a marinada e tape o tacho.

Deixe cozinhar em lume muito brando, com o tacho sempre tapado, por cerca de 3h ou até que a carne fique macia.

A meio do tempo verifique se precisa de líquido e acrescente o caldo de carne.

Ajuste os temperos, se necessário e sirva quente.


Sugestão de acompanhamento: arroz, cozido em caldo de carne.



sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Bolo de laranja de liquidificador (com casca)



Até as cascas foram!


Ideal para acompanhar uma boa chávena de chá, este bolo é tão simples que se faz num abrir e fechar de olhos! Além disso, fica bastante económico e mantém-se húmido durante muito tempo… isto se aí em casa não forem muitas vezes ao armário (como eu). :D



Ingredientes

  • 2 laranjas pequenas com a casca (cerca de 150g cada)
  • 4 ovos
  • 2/3 de chávena (chá) de óleo
  • 1 e 1/2 chávena (chá) de açúcar
  • 1 e 1/2 chávena (chá) de farinha de trigo
  • 1/2 chávena (chá) de amido de milho
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó

Nota: a chávena/taça que usei tem a capacidade de 250 ml

 

Preparação:


Ligar o forno a 180°C
Untar e enfarinhar uma forma redonda de furo central (chaminé - ou outra à escolha).
Peneirar as farinhas e o fermento, para uma taça. Reservar

Cortar a laranja em 4 pedaços (retirar apenas os topos e a parte branca do meio).

No copo do liquidificador, colocar a laranja, os ovos, o óleo, o açúcar e bater até obter um creme homogéneo.

Verter o líquido numa taça e adicionar, aos poucos, as farinhas, envolvendo até obter uma massa cremosa.

Deitar a massa na forma reservada e levar ao forno por cerca de 45 minutos, ou até que um palito saia limpo, depois de espetado na massa.

Retirar do forno, deixar amornar e desenformar.

sábado, 19 de novembro de 2016

Doce fim de semana



A previsão, para este fim de semana, é de mau tempo... mas isso é lá fora ;)

Dentro de casa o aconchego é tãaaaao bom!

E sabem como pode melhorar? Ficando doce!

É por isso que vos aconselho algumas receitas, cujos ingredientes a maioria de vós até deve ter no armário. Mão à obra!?

Depois contem a(s) que escolheram e se possível partilhem as fotos. Adoro saber como vos correu a experiência.


Um abraço, com os votos de um aconchegado e doce fim de semana


(receitas - clicar na imagem)


                

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Às urtigas!



Mandar tudo às urtigas!

Não é o que vos apetece às vezes? Também a mim!

Sim, nesse sentido que estão a pensar. Mesmo nesse!!! ;)

Mas há que ter compostura... paciência, sapiência, etc e tal!

Por isso, meus caros, vamos lá todos às urtigas... mas só para fazer sopa e um chá. Ambos provados, aprovados e recomendados.

E se "googlarem" sobre isto vão ficar admirados (como eu fiquei) com as muitas utilidades e benefícios desta erva dos piquinhos :)

Veredicto: Gostei e tenciono consumir mais vezes. O sabor é bem agradável e o creme ficou muito suave e aveludado.


Nota: Recomendo precaução ao colher as urtigas, pois estas picam e provocam uma ligeira urticaria. Talvez o uso de luvas e uma tesoura sejam aconselháveis.




Receita para o robot Cuisine Companion da Moulinex

 

Sopa de urtigas


Ingredientes:

  • 1 cebola
  • 1 dente de alho
  • 3 colheres (sopa) de azeite
  • 1 batata
  • 1/2 curgete
  • 1/2 chuchu branco
  • 1 molho de urtigas 
  • 1/2 l de caldo de legumes
  • sal q.b.


Preparação:


Descasque a cebola e corte-a em quatro. Descasque o dente de alho.
Descasque a batata, a curgete, o chuchu e parta tudo em rodelas ou cubos. Lave e reserve.
Arranje as urtigas, aproveitado apenas as folhas (idêntico aos espinafres). Lave e reserve.

Coloque a cebola e o alho na taça com a lâmina picadora e pique 5 segundos, velocidade 12. Junte o azeite e refogue 3 minutos, velocidade 3 a 120ºC.

No final deste tempo, com a ajuda da espátula, baixe toda a cebola para o centro da taça. Junte todos os legumes e regue com o caldo, apenas até cobrir ligeiramente os legumes. Seleccione o programa de sopas P1 a 100 ºC durante 35 min.

Tempere com sal e sirva quente.

Sugestão: Regue com um pequeno fio de azeite e acompanhe com pequenos cubos de pão torrado.





sábado, 29 de outubro de 2016

Cogumelos marron recheados




Felicidade é...


(também é) perceber que várias pessoas pensam em nós e tão gentilmente contribuem para tornar os nossos dias bem mais prazerosos.

Nesta publicação consegui reunir tanto carinho... e é assim que gosto de viver. É assim que devíamos viver, rodeados de quem gosta de nós e nos trata bem!

Obrigada, Beatriz e Zé Carlos pelo passeio, companhia e pela linda pedra que me ofereceram. Vou usá-la tanta vez ;)

Obrigada, Agostinho (e irmã) pelos deliciosos cogumelos. Fiquei tremendamente feliz!

Obrigada, Ana Paula... Por se lembrar que gosto de poesia e me ter enviado este lindo poema.

são as mulheres que
fazem chorar as cebolas
como se descascassem a própria vida
e, arredondando-se então, descobrissem
um corpo, o seu
uma vida, a sua
e, no entanto, nada que de verdade
pudessem seu chamar
ou talvez sim, mas só
aquela gota de água salpicando
um canto do avental onde
desponta uma flor de pano colorida que
ainda ontem ali não ardia

Poema de Bénédicte Houart


E obrigada a todos vós, que vêm partilhar a nossa cozinha e a nossa mesa <3 br="">

 

Cogumelos marron recheados

 

Ingredientes:

  • 20 cogumelos marron (frescos)
  • 20 fatias de bacon ou toucinho fumado
  • 1 cebola (média)
  • 2 dentes de alho
  • 150 g de queijo creme (queijo de barrar)
  • 1 haste de tomilho (fresco)
  • 1 colher (café) de oregãos (secos)
  • 1 pitada de pimenta (usei mistura de 5 pimentas, moída na hora)

Preparação:

Pré-aquecer o forno a 175ºC. Forrar um tabuleiro com papel vegetal.

Retirar os pés aos cogumelos [podem guardar-se para usar depois, por exemplo, num estufado], limpar com um guardanapo de papel e reservar.

Descascar e picar, finamente, a cebola e os alhos.

Numa taça média, misturar a cebola, os alhos, o queijo creme, as ervas aromáticas e temperar de pimenta. Envolver bem, para obter uma pasta homogénea.

Rechear os cogumelos com a mistura de queijo. Enrolar cada cogumelo com uma fatia de bacon e prender com um palito.


Colocar os cogumelos no tabuleiro e levar ao forno por 25 minutos.

Servir quente!


sábado, 22 de outubro de 2016

Tarte de maçã muito simples

 



Há dias em que fazemos muitos planos, para tudo e mais alguma coisa, sem que daí nada resulte.

Isto pode aplicar-se a uma decisão que nos altere a vida, aos sapatos que vamos calçar para ir trabalhar, ao que vamos fazer para o jantar... para sobremesa, etc...

Mas há outros dias em que não planeamos nada e tudo acontece! O bom, o menos bom e o assim-assim.

Simplesmente nos levantamos e deixamos que as coisas sigam o seu rumo, sem grande interferência.

Confesso que gosto mais da última, embora tenha uma tendência natural para a primeira. Lá tento contrariar, mas nem sempre consigo. Como diz a minha querida mãe às vezes "Ninguém se faz"!

Vá... podia estar aqui em divagações sobre as dúvidas, certezas, decisões e indecisões que me povoam a mente, mas fico-me por aqui.

E sabem que mais? Isto demorou-me mais tempo do que a fazer a deliciosa tarte que hoje partilho convosco. :)

Sejamos gratos e façamos tartes!!!



 

Ingredientes:

  • 1 base de massa quebrada
  • 1 maçã grande 
  • 100g de açúcar
  • 3 ovos
  • 200 ml de natas

Preparação:

Estenda a massa e forre, com esta, uma forma da tarte (pode ser redonda). Pique-a com um garfo e reserve.

Numa taça ou copo alto, misture (sem bater) os ovos, natas e açúcar. Verta o creme obtido em cima da massa na forma.

Lave a maçã, retire-lhe o caroço e lamine-a fina. Distribua as lâminas de maçã pela tarteira e leve ao forno previamente aquecido a 190º durante +/- 45 minutos.

Após estar cozida deixe-a arrefecer um pouco, e quando estiver morna polvilhe com açúcar em pó e canela (opcional).

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Bimby, Kenwood, Yämmi e Moulinex testadas por bloggers

Sim, estivemos lá a testar os Robots de Cozinha! E sabem que mais? Adorei a experiência! :)

tãaaaaoooo empenhados!
4 pessoas à frente das câmaras, mas muitas atrás... tão profissionais, simpáticas e divertidas!

O que diz a DECO PROTESTE:

"Em breve, vão poder conhecer as impressões dos participantes e os resultados completos dos novos modelos de robôs de cozinha. http://bit.ly/DP_Testes-Robô-Cozinha"



sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Bolo de maçã e canela






Bolo de maçãs feias... e canela




Não, não estou a ser injusta! As maçãs não deviam muito à beleza :)

Eram boas. Muito saborosas, diga-se em abono da verdade! E honestamente, prefiro-as às bonitinhas e engraxadas, que se vendem por aí, vindas sabe-se lá de onde.

Nas etiquetas, obrigatórias, diz a origem das mesmas e eu às vezes dou por mim a olhar para as bancas de fruta como se estivesse numa agência de viagens a escolher um destino paradisíaco.

Mas voltando às maçãs feias... estas eram de cá! De uma macieira conhecida e apanhadas por nós numa solarenga tarde de domingo.

Sabem como são, não sabem? Daquelas pequeninas, sarapintadas e algumas com um furinho aqui e ali. Assim eram estas!

Mas que belo bolo deram estas feias maçãs!



 

 

Receita para o robot Cuisine Companion da Moulinex

 


Bolo de maçã e canela

Ingredientes:


  • 4 maçãs (médias e maduras)
  • 4 ovos
  • 120 ml de óleo de girassol
  • 350 g de açúcar mascavado
  • 360 g de farinha
  • 1 colher (sopa) de canela em pó
  • 1 colher (sopa) de fermento

 

 

Preparação:


Descascar, descaroçar a maçã e ralar, usando o acessório Ralador, disco de ralar fino. Reservar.

Peneirar a farinha, juntamente com o fermento, a canela e reservar.

Na taça, munida do acessório batedor, juntar os ovos, o óleo, o açúcar e programar velocidade 9, durante 2 minutos. Adicionar a maçã ralada e programar velocidade 9, durante 2 minutos.

Verter a massa obtida, num recipiente. Incorporar aos poucos a mistura de farinha com canela (usar a vara de arames) até obter um preparado homogéneo.

Despejar a massa numa forma untada e enfarinhada. Levar ao forno, pré-aquecido a 180ºC, durante cerca de 50 minutos.

Deixar amornar/arrefecer, desenformar e polvilhar com açúcar em pó e canela (opcional).



quarta-feira, 28 de setembro de 2016

E porque já é outono...

As Castanhas

 

Louças e acessórios @MuyMuchoPorto

Os castanheiros são nativos das regiões de temperatura amena do hemisfério norte do globo terrestre. Duram até aos 500 anos, e apenas dão fruto quando atingem os 40 anos. Estas árvores dão-se bem em terrenos ácidos, como os formados por granito e xisto, e não se desenvolvem bem em solo alcalino. As castanhas estão contidas num ouriço espinhoso, com cerca de 5 a 11 cm de diâmetro, que contém entre uma a sete castanhas.
As castanhas têm uma relevância inquestionável na gastronomia Europeia, particularmente, nos países do sul, (onde se inclui Portugal, claro); na Ásia, e também na zona este da América do Norte.

A castanha foi, provavelmente, um dos primeiros alimentos a serem consumidos pelo Homem, uma vez que há indícios do seu uso já na pré-história. Espalharam-se por toda a Europa a partir da Grécia. Durante a Idade Média, as pessoas tinham um acesso bastante limitado à farinha de trigo, e, então, as castanhas eram a sua principal fonte de hidratos de carbono. As castanhas, tradicionalmente, eram dadas aos pobres, e representavam a abundância e o alimento, daí serem o símbolo da festa de S. Martinho, e também da festa de S. Simão, na Toscânia.
As castanhas contêm o dobro do amido das batatas e, por isso, não surpreende que sejam um importante alimento na China, no Japão e na Europa do Sul, onde frequentemente são transformadas em farinha, a partir da qual se faz pão e massas, tanto que o castanheiro é conhecido por "árvore do pão".


Não se devem comer castanhas cruas devido aos seus elevados índices de ácido tânico. Assim, devem ser cozinhadas de forma a evitar desconforto digestivo. Também, não devem ser comidas com casca. Quando cruas, torna-se virtualmente impossível descascá-las, embora o possamos fazer com uma boa dose de paciência e cuidado! É bastante mais fácil retirar-lhes a casca quando cozinhadas. As castanhas podem ser cozidas, usadas em sopas, puré, para preparar bebidas e até cristalizadas – estas últimas muito apreciadas em França onde são conhecidas como marrons glacés. Em muitas receitas, podem substituir as batatas e, inclusivamente, a massa. Combinam particularmente bem com batata-doce, cenoura, cogumelos, couves-de-bruxelas, e couve. São excelentes quer para pratos doces como salgados.
A cozinha, nos últimos tempos, tem feito um esforço para voltar a usar a castanha, tal como no passado, seguindo a moda de redescobrir os pratos tradicionais.

Louças e acessórios @MuyMuchoPorto

Para que as castanhas se conservem ao longo do Inverno, estas devem ser perfeitamente secas, a partir do momento em que deixam o ouriço; depois é colocá-las numa caixa ou recipiente coberto com areia fina e seca, numa proporção de 3 partes de areia para uma de castanhas. Na eventualidade de alguma castanha ter “bicho” (larvas de insectos), estes irão emergir à superfície da areia em busca de ar, e assim evita-se que se contaminem as outras castanhas. 

Louças e acessórios @MuyMuchoPorto

Informação Nutricional 

As castanhas são deliciosas, e muito saudáveis, pois são ricas em nutrientes. Têm bastante água, contêm muito pouco óleo, e são virtualmente livres de gordura. São ricas em hidratos de carbono complexos e contêm proteína de elevada qualidade – comparável com a do ovo – não têm glúten, nem colesterol. Nutricionalmente, são idênticas ao arroz integral. Curiosamente, têm tanta vitamina C como os limões.

Artigo: Centro Vegetariano

Nota de agradecimento: Aos meus formandos José H., José R. e Hélio C., que apanharam as castanhas e gentilmente me ofereceram uma porção da sua colheita. Obrigada!


Louças e acessórios @MuyMuchoPorto

Algumas sugestões deliciosas, onde podem dar uso a este versátil ingrediente.

Divirtam-se!!! ;)

(receitas - clicar na imagem)

                              

domingo, 18 de setembro de 2016

Tarte de amêndoa (simples)


O último domingo de verão merece um doce, ou não?


E que combinação resulta melhor que esta: ovos, açúcar, amêndoa... e pouco mais ;)

Maravilhas da doçaria portuguesa! Ou não fossem estes doces, para mim, uma grande perdição!

E por falar nisso, aproveito para partilhar convosco um projecto fantástico que descobri recentemente e adorei.

Falo-vos desta página, onde poderemos aprender tanto. Felicidade! É o que sinto sempre que encontro a nossa gastronomia tão bem tratada :)



Ingredientes:


5 ovos
250 gr de açúcar
250 gr de amêndoa moída (farinha de amêndoa)
1/2 colher(café) de canela
raspa de meio limão
açúcar em pó q.b. (cobertura)


Preparação:

Numa taça deitar os ovos, o açúcar e mexer (sem bater) com a vara de arames.
Juntar a amêndoa, aos poucos, a raspa de limão, a canela e mexer bem até ficar um preparado homogéneo.
Verter a massa numa tarteira (forma de tarte), untada com manteiga.
Levar a forno pré-aquecido a 180º durante 30 minutos.



Rectangular, redonda, grande ou várias pequenas. Escolham a forma, mas não deixem de experimentar esta delícia! E se tiverem oportunidade contem como correu ;)

Louças e acessórios @MuyMuchoPorto
Louças e acessórios @MuyMuchoPorto
Louças e acessórios @MuyMuchoPorto
Louças e acessórios @MuyMuchoPorto