sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Rabanadas ou Fatias-de-paridas



O natal que tarda em ir!


Bem sei que por esta altura, a maioria, ainda se queixa do excesso de doces que comeu nesta época natalícia e há quem jure fazer dieta até perder os quilos que ganhou (nos últimos dez natais).

Mas, este ano, por aqui, o natal instalou-se como não acontecia há muito e mantém-se, sem que me apeteça mandá-lo já embora. Um pouco por preguiça, mas sobretudo para fazer durar o gostinho que me tem dado estar em "modo natal".

E é por andar assim e pela minha, mais ou menos recente, paixão por rabanadas que vos trago esta receita.




(...)

Natal é em Dezembro
Mas em Maio pode ser
Natal é em Setembro
É quando um homem quiser
Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher.

Poema de Ary dos Santos

 

 

Ingredientes:

  • 1 pão de véspera (cacete* ou pão de forma)
  • 3 dl de leite
  • 3 ovos 
  • 2 colheres (sopa) de açúcar
  • 1 pau de canela
  • 1 casca de limão (só a parte amarela, fininha)
  • óleo para fritar
  • q.b. de açúcar e canela para polvilhar


Obs.: Usei 3 moletes (conhecidos por outros nomes noutras regiões, como: pão, carcaça, bijou, papo-seco, trigo, pãozinho, vianinha, pãozinho francês, etc.)

Preparação:


Leve o leite a ferver com duas colheres de sopa de açúcar, a casca de limão e o pau de canela.
Bata os ovos muito bem, de modo que a clara fique imperceptível.
Corte o pão em fatias com cerca de 1,5 cm e passe-as primeiro pelo leite e depois pelo ovo batido. Frite-as em óleo bem quente e escorra-as um pouco sobre papel absorvente ou sobre um pano.
Coloque-as num prato ou travessa, polvilhadas com açúcar e canela.


NOTA: Deixe o pão embeber-se bem no leite para que a rabanada não fique seca no meio, tendo cuidado para o pão não se desfazer. (O uso de uma espátula ajuda bastante neste processo)



sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Bolo de coco com creme de coco

 

Noite de Reis

 

Vamos cantar as janeiras
Vamos cantar as janeiras
Por esses quintais adentro vamos
Às raparigas solteiras
Vamos cantar orvalhadas
Vamos cantar orvalhadas
Por esses quintais adentro vamos
Às raparigas casadas

Vira o vento e muda a sorte
Vira o vento e muda a sorte
Por aqueles olivais perdidos
Foi-se embora o vento norte

Muita neve cai na serra
Muita neve cai na serra
Só se lembra dos caminhos velhos
Quem tem saudades da terra

Quem tem a candeia acesa
Quem tem a candeia acesa
Rabanadas pão e vinho novo
Matava a fome à pobreza

Já nos cansa esta lonjura
Já nos cansa esta lonjura
Só se lembra dos caminhos velhos
Quem anda à noite à ventura


Natal Dos Simples - Zeca Afonso

 

 

E o que seria da festa sem um doce? 

 

Bolo de coco com creme de leite de coco

 

Ingredientes:



bolo

  • 3 ovos
  • 2 chávenas de açúcar
  • 1 chávena de leite
  • 1/2 chávena de óleo girassol
  • 100 g de coco ralado
  • 2 chávenas de farinha para bolos
  • 1 colher de sopa de fermento em pó
  • q.b. de coco desidratado para a cobertura (na falta deste, usar coco ralado)


creme de coco

  • 200 ml de leite de coco
  • 1 colher de sopa (rasa) de amido de milho 
  • 1 colher de sopa de açúcar

 

Preparação:


No liquidificador, bata os ovos, o óleo, o açúcar e o leite.
Verta a massa numa taça e envolva, aos poucos, o coco, a farinha de trigo e o fermento peneirados.
Despeje a massa numa forma untada com manteiga e polvilhada com farinha.
Leve ao forno pré-aquecido a 180º C por 40 minutos (ou até estar cozido - testar com um palito).


creme de coco


Coloque, numa caçarola, o leite de coco, o açúcar e o amido de milho. Mexa até que esteja bem dissolvido e leve ao lume, mexendo sempre, até ferver.

Verta o creme sobre o bolo, ainda quente, e polvilhe com as raspas de coco.


Obs.: Se não tiverem liquidificador podem bater o bolo com a batedeira, pela seguinte ordem: bater as gemas com o açúcar, juntar o leite, depois o óleo. Adicionar o coco, a farinha peneirada e envolver as claras batidas em castelo.

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Mexidos do Natal

 

 




"Há só um banquete português que desbanca todos os jantares de Paris, mas que os desbanca inteiramente: é a ceia da véspera de Natal nas nossas terras do Minho"
                                                                                                                    Ramalho Ortigão

 

 



Mexidos do Natal

Ponte de Lima
  • Para 8 pessoas

1,5 l de água ; 1 colher de sopa de manteiga; 1 cálice de vinho do Porto; a casca de 1/2 limão; 1 pau de canela; 2,5 dl de mel; 1 chávena de chá (rasa) de açúcar; 1 pitada de sal; 50 g de pinhões; 50 g de nozes; 50 g de passas; 250 g de pão

Leva-se a água ao lume com todos os ingredientes, com excepção dos frutos e do pão. Deixa-se ferver durante 15 minutos. Junta-se então os frutos e deixa-se ferver mais 15 minutos.

Corta-se o pão em fatias muito finas (o mais fino possível) e escalda-se com água a ferver. Esta água deve ser a menor quantidade possível. Junta-se esta masa de pão ao anterior, cuidadosamente, para evitar que ganhe grumos.

Deixa-se ferver um pouco mais para apurar, mexendo sempre.


Nota: macerei as passas em cognac cerca de uma hora, antes de as juntar à calda fervida. (Se o fizerem, coem-nas bem antes de irem para o tacho)


MODESTO, Maria de Lourdes. Cozinha Tradicional Portuguesa. Lisboa/São Paulo: Editorial Verbo, 1982.

domingo, 24 de dezembro de 2017

Fatias douradas recheadas com doce de ovos


Neste natal desejo que tenham muitos (amigos, família, amores) presentes.

Que sejam presenteados com paz, amor, saúde, harmonia e uma mesa farta.





Um abraço doce e apertado! 🎄



Fatias douradas recheadas com doce de ovos

 

Ingredientes:


Doce de Ovos
  • 12 Gemas de ovo (240 g)
  • 400 g Açúcar
  • 200 ml Água
Fatias
  • 1 pão brioche* 
  • 2 ovos inteiros + 1 gema de ovo
  • 60 g de açúcar
  • 100 g de amêndoa moída (farinha de amêndoa)
  • 1/4 de litro de leite
  • 30 g de manteiga
  • 1 vagem de baunilha
  • Açúcar e canela para polvilhar

Nota: usei uma fogaça de Santa Maria da Feira. Podem usar pão de cacete, regueifa doce, etc.

 

Preparação:


Doce de Ovos

Leve ao lume um tacho com a água e o açúcar para fazer uma calda transparente. Deixe-a arrefecer um pouco.

Junte numa tigela as gemas que devem ser mexidas sem bater, acrescente um pouco da calda e mexa bem até que estejam bem desfeitas.
Deite a mistura dos ovos na calda restante, volte a levar o tacho a lume baixo, mexendo sem parar até formar um creme grosso. Deite este creme numa caixa de vidro/tupperware, tape com película aderente (que deve ficar a roçar o creme, para que este não ganhe uma capa) e guarde no frigorífico.


Fatias 

Corte fatias com cerca de 1 cm de espessura e faça quadrados não muito grandes (cerca de 10cm)
Abra a vagem de baunilha pela metade longitudinalmente. Com a ponta de uma faca, raspe o interior e retire as sementes.
Bata os ovos inteiros com a gema, depois misture gradualmente 50 g de açúcar, a farinha de amêndoa, as sementes de baunilha e o leite.
Espalhe em metade das fatias o doce de ovo (1 colher de sopa por fatia, sem aproximar muito das bordas). Cubra com as outras fatias (faça sanduiches) e deixe-as embeber 2 minutos de cada lado na preparação do ovo.
Derreta a manteiga numa frigideira anti-aderente. Quando a manteiga alourar, coloque as fatias (sanduiches) na frigideira e deixe-as tostar cerca de 1 minuto de cada lado.  Retire e coloque em papel absorvente para tirar o excesso de gordura.
Polvilhe-as com açúcar e canela.


Nota: Se a mistura de leite não for suficiente para a quantidade de pão, deve acrescentar proporcionalmente todos os ingredientes. Bem como a da manteiga para fritar as fatias.







quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Aletria cremosa com natas



Natal à Mesa Portuguesa, com certeza! 


Não podia deixar passar o natal sem partilhar convosco uma receita que me faz lembrar cheiros e paladares que residem na minha memória.

Podia escolher outra? Podia! Há várias, felizmente. Mas sabem que fujo sempre para o doce :)



E já que falo em memórias natalícias, aproveito para partilhar convosco a crónica que escrevi para a revista gourmet magazine do El Corte Inglés





download da revista em: https://goo.gl/wLgm4x

revista em papel: nas lojas gourmet do El Corte Inglés





Ingredientes:

  • 150 g de aletria
  • 800 ml de leite
  • 200 ml de natas (usei Parmalat para bater)
  • 200 g de açúcar
  • 2 casquinhas de limão
  • 1 pau de canela
  • 8 gemas
  • 50 g de manteiga com sal (amolecida)
  • Canela em pó para polvilhar

Nota: usei ovos caseiros (daí a coloração amarela mais intensa). Se não encontrarem, optem por comprar ovos de galinhas criadas ao ar livre (sim, faz muita diferença).

 

Preparação:

Parta os novelos de aletria, com as mãos, para que esta vá solta e cozinhe uniformemente.

Leve ao lume uma panela com água e deixe ferver.

Coloque o leite (deixando uns 50ml para misturar com as gemas), as natas, o açúcar, a casca de limão e a canela num tacho e leve ao lume até que levante fervura.

Deite a aletria na água e deixe cozer durante cerca de cinco minutos.

Retire do lume, deite num coador e escorra muito bem. Junte-a à mistura de leite e natas, já a ferver, deixando cozer cerca de 10 minutos.

Misture muito bem as gemas com o leite reservado e adicione-lhes um pouco do leite quente, mexendo bem.

Junte a gemada ao leite, sem parar de mexer e leve ao lume apenas para que cozam (não deixe ferver) durante cerca de um a dois minutos.

Retire do lume, junte a manteiga e mexa até homogeneizar.

Verta a aletria num prato, deixe arrefecer e polvilhe com canela em pó.




Convido-os a visitar a o website parmalatdagosto.pt onde poderão encontrar deliciosas receitas. A nossa aletria está disponível em: http://bit.ly/2pgqJyq