sábado, 23 de junho de 2018

Gelado de creme de limão (lemon curd)

 

Doce e  ácido, como alguns dias...

 

Fazemos muito planos e nem sempre o resultado é o esperado ou o desejado, até.

Assim é a cozinha, assim é a vida! 

Se não experimentássemos a doença, nunca daríamos o devido valor à saúde, se nunca sentíssemos o desencanto é porque jamais teríamos estado encantados... e, e, e...

Mas parando com a introspecção e voltando ao assunto que me traz cá, vou explicar-vos o que era para ser uma coisa e acabou por ser outra.

Bem... este gelado era suposto ter sido uma mousse de curd de limão (aproveitamento do creme que me sobrou, depois de fazer uma pavlova) e acabou por sair um gelado. 
Sim, um gelado... e isto porque me distraí uns segundos e as natas bateram demasiado. 

Pois, também me acontecem imprevistos (da cozinha e dos outros)!

Mas como não podemos fazer outra coisa que não seja dar solução ao que temos em mãos, lá temos que nos desenrascar (isto é muito português). E foi o que fiz! Deitar fora não era opção, fazer o quê com aquilo?
Um gelado, pois claro!

E correu bem (desta vez).

 

Ingredientes

  • 1/2 chávena de creme de limão (lemon curd - receita abaixo)
  • 1 chávena de natas para bater (devem estar bem frescas)
  • 1/4 chávena de açúcar em pó

Preparação


Mousse:

Na taça da batedeira colocar as natas e começar a bater. Sem parar  de bater ir adicionando o açúcar aos poucos. Bater cerca de 3 a 5 minutos.
Desligar, verter o creme de limão (lemon curd) e bater mais um pouco até que tudo esteja envolvido.  

Gelado:

Sorveteira: Deitar o preparado anterior na máquina de fazer gelados (sorveteira), pôr a mesma em funcionamento, e aguardar cerca de 30 minutos ou até  que ver que o gelado está pronto. Verter o gelado numa caixa com tampa e levar ao congelador até à hora de servir.

Sem sorveteira - congelar a mistura num recipiente próprio, destapado, durante 1-2 horas, ou até começar a solidificar nas bordas. Deitar a mistura numa tigela e mexer com um garfo ou bater na liquidificadora até ficar macia. Voltar a colocar no congelador e gelar durante mais 2-3 horas, ou até ficar firme.Tapar o recipiente com uma tampa.


Creme de limão ou Lemon Curd






Há, cá no blogue, uma receita de lemon curd preparado no fogão (que vos garanto ser muito boa), mas desta vez preparei-o de outra forma. É mais simples para quem tiver robots de cozinha e também me agradou imenso.

Está preparada para a Cuisine Companion, mas podem adaptar ao vosso robot.

 receita encontrada na página francesa do robot Cuisine Companion.


quinta-feira, 21 de junho de 2018

Tapa portuguesa


"Em equipa que ganha não se mexe"!


Assim se diz na gíria futebolística, não é? Apesar de ser pouco atenta a estas andanças, lá o vou ouvindo aqui e ali.

O mesmo princípio se aplica a tantas situações da nossa vida... a relações pessoais, profissionais, etc.

E, como sempre, a cozinha tem a ver com isto tudo :) Apesar de haver combinações improváveis que acabam por resultar muito bem, há outras que têm uma enorme probabilidade de sucesso.

Foi a pensar numa "equipa ganhadora" que me ocorreu fazer esta tapa. Estava tudo reunido para que corresse bem! Tinha bons ingredientes, o que é fundamental, para obter o resultado que aí vêm nas fotos.


Veredicto: Foi aprovadíssima e será convocada mais vezes.




equipa (vencedora) escolhida:

  • bacalhau (um lombo bom)
  • azeite (Oliveira Ramos Premiun Extra Virgem)
  • cebola (nova, portuguesa, do Douro)
  • pimenta (preta, em grão, moída na hora)
  • pão (da aldeia, fatiado)
  • salsa picada
  • coentros picados
  • manjerico


Secar o bacalhau (previamente demolhado) e desfiá-lo para dentro de uma taça. Laminar a cebola em meias luas finas e adicionar ao bacalhau. Temperar com a pimenta, regar com um bom fio de azeite e envolver.
Picar a salsa, os coentros e um pouco de manjerico.

Numa tábua (travessa/prato/etc.), dispor as fatias de pão, regar com um fio de azeite, salpicar com um pouco das aromáticas picadas e cobrir com o bacalhau.

Servir com uma taça de azeite e outra de aromáticas picadas, para quem quiser acrescentar.






O azeite Oliveira Ramos Premium Extra Virgem acaba de conquistar, pela terceira vez, a medalha de ouro para o packaging design no Los Angeles International Extra Virgin Olive Oil Competition que recebeu este ano cerca de 600 amostras de 369 produtores.

A garrafa é serigrafada com uma mensagem “manuscrita” em relevo que conta a história deste azeite gourmet, “tendo uma ilustração original como elemento agregador de design”, refere a distinção.

Produzido com azeitonas Cobrançosa e Picual, o Azeite Oliveira Ramos Premium Extra Virgem tem notas marcadas de verde folha de oliveira, erva e casca de banana verde, e notas suaves de maçã, com um final acentuado de frutos e alguma persistência na boca. As azeitonas são apanhadas mais cedo nos olivais, originando um aroma bastante frutado de azeitonas, fundamentalmente verdes, e que combina um ligeiro amargo com um toque de picante.

domingo, 6 de maio de 2018

Arroz de tamboril

Estão de volta os domingos de sol!


Está de volta a vontade de mar e de pratos coloridos que me saibam a férias e a dias longos.

Começamos a época dessas receitas com este delicioso arroz caldoso, que tanto encheu as medidas aos que se sentaram à mesa comigo.


Aconselho que experimentem, sem se deixarem levar pelo preconceito da "feiura" do peixe em questão. Depois, se fizerem o favor, contem como correu a experiência. ;)


Ingredientes:

(para 3/4 pessoas)

  • 1 tamboril (cerca de 1kg)
  • 8 camarões grandes 
  • 300g de arroz carolino
  • 1 cebola
  • 2 dentes de alho
  • 1/2 pimento vermelho
  • 3 tomates maduros 
  • 1 malagueta (opcional, mas aconselhável)
  • 50 ml azeite
  • 40 ml de vermute seco (na falta deste, usar vinho branco)
  • 800 ml de Caldo*
  • coentros q.b.

*Caldo
  • cabeças de camarão (as dos camarões usados para o arroz)
  • 1 pedaço da cabeça do tamboril
  • espinha do tamboril 
  • 1 alho francês
  • 1 cebola
  • talos de coentros q.b.(usei cerca de meio molho)
  • 1 l de água
  • flor de sal q.b.

Ingredientes usados nesta receita


Preparação

Limpe o tamboril (ou peça que lho limpem, na peixaria) e separe os lombos, cortando junto à espinha dorsal. Corte as cabeças aos camarões e reserve os mesmos para o arroz.

Caldo

Num tacho ou panela coloque as cabeças de camarão, uma parte da cabeça e a espinha do tamboril, o alho francês cortado em quatro (só a parte branca) e bem lavado, a cebola cortada ao meio, os talos (pés) dos coentros, sal e regue com a água. Deixe levantar fervura e cozer durante cerca de 15/20 minutos. Mantenha em lume brando, até ser necessário para o arroz.



Arroz

Pique a cebola, os dentes de alho e coloque-os num tacho com o azeite. Leve ao lume até que a cebola fique translúcida. Junte o pimento e o tomate, limpos de pele e sementes, cortados aos cubos pequenos. Deixe refugar e refresque com o vermute ou vinho.

Vá acrescentando caldo, aos poucos, e deixe ferver. Adicione o arroz, mexa um pouco para que os grãos se separem e deixe cozer cerca de 5 minutos.

Distribua os pedaços de tamboril (temperados com um pouco de flor de sal) e os camarões por cima do arroz. Agite um pouco o tacho para que estes entrem dentro da calda do arroz. (Nesta fase não convém mexer com a colher, para que não se desfaça o peixe. Pode-se ir agitando o tacho de vez em quando).

Prove, retifique de sal e assim que o arroz esteja cozido, o que demora cerca de 18/20 minutos (dependendo de como se gosta da textura do grão), salpique com os coentros picados.

Sirva de imediato. 







Nota: Não cozinhe demasiado o peixe, pois este tem tendência a ficar "esponjoso" se cozer demais. Se gostar de arroz mais ou menos caldoso, ajuste as quantidades de caldo.



sábado, 14 de abril de 2018

Melgaço: a arte de bem receber!





Dizem que a alma se alimenta do sabor e o corpo daquilo que sobra.
Alvarinho. Delicada frescura
Ferreiros de Cima, Alvaredo - 4960-010 Alvaredo


Rumar a Melgaço é sem dúvida uma excelente decisão! Uma terra que se afirma como "o destino de natureza mais radical de Portugal" é sobretudo, na minha opinião, um bom local para bem comer, beber e viver.

Fui lá por estes dias, no âmbito do evento enogastronómico ‘Lampreia do Rio Minho – Um Prato de Excelência’, e o fim de semana voou. Fico sempre com esta sensação quando me sinto muito bem e quero aproveitar todos os minutos. Regressei a casa com imensa vontade de voltar a esta terra que ainda me deixou com tanto por descobrir. 

O que andei por lá a fazer? Vou partilhar convosco! Comecemos pelos pratos e copos: 

🔶 Jantar vínico de harmonização da Lampreia do Rio Minho:
‘Uma Nova Visão da Lampreia do Rio Minho’


O Chef Vitor Matos, responsável pela cozinha do Vidago Palace Hotel, preparou pratos exclusivos para este evento, harmonizados com os Alvarinhos Quintas de Melgaço, Reguengo de Melgaço, Castaboa Alvarinho e Soalheiro. O jantar decorreu no Monte Prado Minho




1ª Harmonização

Lâminas de Lampreia fumada, queijo fresco de cabra Prados de Melgaço
Beterraba e balsâmico velho, capuchinhas
Castaboa Alvarinho 2016





2ª Harmonização
Lampreia cozinhada a baixa temperatura com arroz de berbigão e coentros
Algas, molho de Alvarinho de Melgaço e citronela
QM Nature Alvarinho 2016



3ª Harmonização
Cevadinha cremosa de Lampreia fumada com salpicão de Melgaço IGP Quinta de Folga
Cogumelos e espinafres
QM Vinhas Velhas 2016




4ª Harmonização
Lampreia com molho de vinho tinto, trufa negra, puré de aipo assado e especiarias
Terrina de rabo de boi e funcho
Soalheiro Oppaco 2014




5ª Harmonização
Bucho doce de Melgaço, creme de limão, bergamota e laranja confitada
Sorvete de yuzo, cidreira e panacotta de leite de cabra e lima-kaffir
Reguengo de Melgaço Espumante Reserva Alvarinho 2015


Pratos cheios de criatividade, onde estão bem presentes o profissionalismo e empenho de quem os pensa, confecciona, emprata e serve. Mais uma experiência única, irrepetível e memorável. 



🔶 Almoço no Restaurante Chafarix

Um espaço onde seria cliente assídua se vivesse nas proximidades. A qualidade dos produtos servidos é excelente e o atendimento foi irrepreensível. A simpatia dos proprietários e o amor que depositam no que fazem refelecte-se em cada pedaço do que se come. Adorei e super recomendo!



Presunto e outro produtos de fumeiro - produção própria

Lampreia à Bordalesa

Arroz de Lampreia

Bacalhau ao Alvarinho

Naco grelhado
Endereço: Praça Amadeu Abílio Lopes, Melgaço
http://chafarix.com


🔶 Jantar no Restaurante Tasquinha da Portela

Boa comida, ambiente acolhedor, simpático e um serviço muito atencioso. Sabem receber e bem tratar os clientes. A voltar!

Endereço: Portela Paderne, 4960-263 Melgaço


🔶 Almoço no Restaurante do Hotel Miracastro

Um espaço tranquilo, harmonioso, onde se pode usufruir de uma boa refeição. O cabrito estava excelente e a conversa, sábia, do proprietário tornou a experiência única. Nas suas palavras, ali é que a carne é boa pois "abaixo dos 500mt só há bom peixe". Adorei a expressão e as explicações acerca de Castro Laboreiro. Recomendo!

Endereço: Vila de Castro Laboreiro, 4960-095 Castro Laboreiro




Locais onde fiquei alojada e aos quais gostaria de voltar, com mais tempo, para desfrutar dos maravilhosos espaços interiores e exteriores.

🔶 Casa da Cevidade

Espaço muito calmo, bonito e agradável, totalmente integrado na natureza. Um local excelente para fugir ao reboliço das cidades, mas ainda assim ter acesso a tudo o que é necessário para passar uns dias maravilhosos.



Lugar da Cevidade, 4960-223 Paderne, Melgaço
www.casadacevidade.com


🔶 Quinta da Calçada

Bonita casa senhorial, com excelentes espaços envolventes e vistas incríveis da paisagem minhota. Local acolhedor, genuíno, repleto de pormenores que merecem ser apreciados.


Lugar de São Julião, União das Freguesias de Vila e Rouças, 4960- 614 Melgaço
www.quintadacalcada.com



🔶 Termas de Melgaço
"As propriedades termais das Águas do Peso são reconhecidas e valorizadas desde há muitos anos, mais propriamente desde 1884, aquando da cura da esposa de um médico de Vila Nova Cerveira, que sofria de uma doença de estômago. Desde então, estas termas passaram já por vários momentos, alguns mais áureos que outros. Passeando pelo Parque Termal, rodeado de uma frondosa vegetação onde passa a ribeira da Bouça Nova, descobrimos as duas nascentes – a Fonte Principal e a Fonte Nova ou Galeria Nova –, a Buvete – um imponente edifício da arquitetura do ferro, desenhada pelo Engenheiro Luís Couto dos Santos –, o Balneário – um exemplar da arquitetura do ferro de dimensões e monumentalidade menores –, a Oficina de Engarrafamento – uma discreta construção industrial –, e o antigo Hotel do Peso – em ruínas, relembrando-nos os tempos em que por aqui não faltavam banhistas.

Hoje, após uma obra profunda de reabilitação e de remodelação total, está dotado de espaços que, conjuntamente com equipamentos de grande qualidade, se complementam perfeitamente para a prática de tratamentos integrados destinados às indicações terapêuticas proporcionadas pela água de Melgaço, pare, respire e aproveite. As termas de Melgaço com águas admiradas pelos seus poderes curativos reconhecidos ao longo dos anos, são um verdadeiro refúgio para os sentidos, será apenas mais um motivo para voltar a esta bela Vila!"
A simpatia contagiante e o profissionalismo da equipa responsável pelo espaço e pela realização dos tratamentos é merecedora de destaque. A massagem que recebi foi maravilhosa e uma experiência a repetir! Como se não bastasse toda a atenção que me dedicaram, ainda me surpreenderam com a oferta de dois vouchers personalizados.








Como podem perceber há muito para ver e fazer em Melgaço. Um fim de semana é bom para começar a descobrir tudo o que esta terra tem para nos oferecer, mas saímos de lá com vontade de voltar com mais tempo.

"Há muito mais para se descobrir no Município mais a norte de Portugal: A par da sugestão gastronómica, há propostas culturais, entusiasmando à descoberta da riqueza patrimonial e paisagística da região. Em Melgaço há um programa de animação com actividades de turismo natureza ou aventura (como rafting, caminhadas, rapel, salto pendular, arvorismo, slide, escalada, passeios pedestres), visitas aos espaços museológicos da rede Melgaço Museus, visitas e provas nas adegas aderentes Rota do Vinho Alvarinho e também visitas a produtores de artesanato e de fumeiro."



Sugestões de visita:

Branda da Aveleira
   ·         Conhecer a aldeia, as cardenhas (pequenas construções rústicas para turismo rural), o lago

Lamas de Mouro
·         Porta de Lamas de Mouro: conhecer a envolvente e o núcleo museológico

Castro Laboreiro
·         Castelo de Castro Laboreiro – classificado como monumento nacional
·         Igreja Matriz de Castro Laboreiro - século IX e segunda metade do século XVIII
·         Núcleo Museológico de Castro Laboreiro: representações de tradições
·         Pelourinho de Castro Laboreiro, datado do século XVI, classificado como imóvel de interesse público
·         Igrejas medievais
·         Fornos comunitários
·         Espigueiros
·         Moinhos
·         Rio Laboreiro / cascatas
·         Ponte Nova ou da Cava da Velha

Outras recomendações: Torre de Menagem, o Espaço Memória e Fronteira, o Museu de Cinema Jean Loup Passek e o Solar do Alvarinho.


Próximos eventos

Melgaço não pára e brevemente há uma festa a não perder: Festa do Alvarinho e do Fumeiro.



Festa do Alvarinho e do Fumeiro de Melgaço (FAFM)