terça-feira, 30 de junho de 2020

Bolo de chocolate com cobertura de brigadeiro





Simples e Decadente


(...)
Come chocolates, pequena;
Come chocolates!
Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
Come, pequena suja, come!
Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!
Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folha de estanho,
Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.

Álvaro de Campos

 

 

Bolo diabólico é como me apetece chamar-lhe!

 

Ingredientes:

  • 5 ovos
  • 1 chávena de óleo de girassol
  • 1 e 1/2 chávena de água quente
  • 1 e 1/2 chávena de açúcar
  • 2 chávenas de chocolate em pó
  • 2 chávenas de farinha (usei T65 - a que tinha)
  • 1 chávena (mal cheia) de amido de milho
  • 1 colher de sopa de fermento em pó


Preparação:


Bata os ovos, óleo, açúcar e água no liquidificador até envolver bem.
Verta numa taça e aos poucos vá adicionando os secos (farinhas, chocolate e fermento) peneirados.
Deite a massa num tabuleiro untado com manteiga e polvilhado com cacau em pó. Leve ao forno pré-aquecido a 180ºC, durante 35 minutos.

Retire do forno e deixe arrefecer um pouco. Quando estiver morno regue com a cobertura de brigadeiro (ver receita abaixo).






 

Receita criada para o robot Companion XL

 

h

 



Cobertura de brigadeiro


Ingredientes: 

  • 200g de leite em pó
  • 200g de açúcar 
  • 150ml de água
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • 2 colheres (sopa) de chocolate em pó

1 - Na taça da Companion XL, munida da lâmina picadora, coloque o leite em pó, o açúcar, a água e programe 10 minutos, 90º, velocidade 3.

2 - Retire a lâmina e coloque o acessório batedor. Ao leite condensado (preparação anterior) junte a manteiga e o chocolate. Programe velocidade 4, 95° por 8 minutos. Depois programe velocidade 4, 100° por 10 minutos.


 Leite condensado (passo 1)


quinta-feira, 18 de junho de 2020

Pataniscas de bacalhau




pa·ta·nis·ca

(origem duvidosa)
nome feminino

1. [Culinária]  Isca de bacalhau frita depois de envolta em polme geralmente temperado com cebola e salsa picadas, sal e pimenta. = LAROCA



"patanisca", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [consultado em 18-06-2020]




Na casa dos meus pais chamavam-se iscas de bacalhau e eram feitas de forma idêntica a esta receita que partilho convosco. A dada altura comecei a ouvir chamarem-lhe pataniscas e a perceber que em algumas zonas, como na Ribeira/ Cais de Gaia, as iscas de bacalhau eram uma posta (geralmente fina) envolta em polme (farinha, água, ovos...). 
Quem se lembra do Jaime das iscas, na Ribeira de Gaia? Eram boas, eram!!!

Portanto, a haver diferença, esta será entre o bacalhau lascado e/ou o bacalhau inteiro. Será assim?

Dicotomia à parte, actualmente as pataniscas já não se fazem só de bacalhau e há-as para todos os gostos e tipos de regime alimentar, incluindo vegetariano.

Voltando às de bacalhau, há algumas variações nos igredientes e/ou forma de preparação.
Vi várias receitas, mais recentes, onde as preparam com leite e água, só leite, água gaseificada, cerveja, só ovos, água de cozer o bacalhau, as claras batidas, bacalhau cozido, escaldado...
E por último, mas não menos importante: com ou sem cebola! Há quem defenda acerrimamente que a deve levar e quem diga o contrário. Eu digo que são gostos pessoais e que o cozinha é isto mesmo: experiências e mais experiências.

Já comi com e sem, provavelmente como a maioria de vós. Gosto de cebola e não me incomoda nada que a tenha, mas talvez pela minha memória gustativa mais antiga não a incluir, opto por fazer sem este ingrediente. Aí mandam vocês e por isso façam-nas como vos for mais aprazível!




Ingredientes: 

 

  • 200g de bacalhau demolhado e lascado
  • 200g de farinha (usei T65)
  • 2 ovos
  • 150ml de água*
  • 1 ramo de salsa
  • sal e pimenta q.b.


* valor de referência, mas pode usar mais ou menos dependendo da consistência que gostar.


Preparação:



Colocar a farinha e sal numa taça. Misturar, abrir um buraco no centro, verter os ovos e metade da água. Mexer bem até não ter grumos e ajustar a água até ter a consistência pretendida.
Juntar o bacalhau, a salsa picada e envolver bem. Temperar com pimenta e, se necessário, de sal.

Levar a fritar em óleo ou azeite quente. Deixar escorrer o excesso de gordura em papel absorvente.




 vídeo passo-a-passo



terça-feira, 16 de junho de 2020

Bacalhau confitado

 

 

Entre um natal e outro, um bom lombo de bacalhau sabe tão bem! 


Este era da Islândia e foi comprado no meu (nosso) Mercado do Bolhão logo ali a seguir às festividades natalícias. Tal como me ensinou o vendedor, mantive-o no frigorífico dentro de um saquinho e com a pele voltada para cima. A dessalga foi feita durante 4 dias, no frigorífico, mudando a água de 12 em 12 horas. Aprovadissimas as dicas!





Ingredientes:


  • 2 lombos de bacalhau
  • q.b de azeite (usei uma garrafa 0,75)
  • 3 dentes de alho
  • 1 folha de louro
  • 6 grãos de pimenta branca


Nota: o azeite que não for consumido na refeição pode ser coado e usado para outras preparações

 

Preparação:


robô de cozinha: no copo coloque o azeite, alho, louro e pimenta. Programe 20 min a 80º. Adicione o bacalhau e programe 50 min a 70º.



Tradicional: Num tacho, coloque o azeite, alho, louro e pimenta. Leve-o ao lume muito brando para aquecer, sem ferver (cerca de 10 minutos). Adicione o bacalhau e leve de novo ao lume, sempre sem ferver, durante cerca de 50 minutos.


Sugestão de acompanhamento: batata cozida com casca (cozi ao vapor no robô de cozinha) e grelos cozidos.

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Choquinhos com coentros à Algarvia




Está de volta o calor!


Está de volta a vontade de mar e de pratos coloridos que me saibam a férias e a dias longos.

Começamos a época dessas receitas com estes simples e deliciosos Choquinhos com coentros à Algarvia.

 

 

Ingredientes:


  • 500 g de choquinhos limpos (usei congelados)
  • Azeite q.b.
  • 1 folha de louro 
  • 4 dentes de alho
  • 1 malagueta (opcional)
  • 50 ml vinho branco
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • 1 raminho de coentros
  • sumo de limão q.b

 

Preparação:


Descongele os choquinhos.

Unte o fundo de uma frigideira (é fundamental ter uma de boa qualidade - usei a Master Swiss) com azeite. Junte o louro, os dentes de alho esmagados e a malagueta cortada em rodelas finas, e deixe amolecer.

Escorra bem os Choquinhos, seque com papel absorvente e disponha-os na frigideira e frite, durante cerca de 10 minutos, mexendo com frequência.

Adicione o vinho e deixe ferver até evaporar. Depois, junte a manteiga e mexa até derreter. Regue com o sumo de limão, salpique com os coentros picados grosseiramente, envolva tudo e sirva de imediato.

Sugestão de acompanhamento: batata doce ou normal cozida.







vídeo passo-a-passo


Receita preparada em parceria com a @BoasComprasbonsdescontos

INSTAGRAM    
FACEBOOK 

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Bolo de Pêra



Semeia, contempla quando florir e deixa amadurecer.


"Se te contentas com os frutos ainda verdes,
toma-os, leva-os, quantos quiseres.
Se o que desejas, no entanto, são os mais saborosos,
maduros, bonitos e suculentos,
deverás ter paciência.
Senta-te sem ansiedades.
Acalma-te, ama, perdoa, renuncia, medita e guarda silêncio.
Aguarda.
Os frutos vão amadurecer."

 

 

 

Ingredientes:


Base:
  • 20 g de manteiga
  • 40 g de açúcar amarelo
  • 3 pêras médias
  • Sumo de limão q.b
Bolo:
  • 60 g de manteiga (à temperatura ambiente)
  • 150 g de açúcar branco
  • 3 ovos
  • 200 g de farinha com fermento
  • 180 ml de leite
  • 1 colher e 1/2 (sopa) de sumo de limão

Preparação:


Pré-aqueça o forno a 180°C

Unte uma forma redonda (usei 22 cm) com manteiga e forre o fundo com papel vegetal. Distribua a manteiga, em pedacinhos, por cima do papel vegetal e polvilhe com o açúcar amarelo.

Descasque as pêras, corte-as ao meio, retire o caroço e regue com sumo de limão para evitar que escureçam. Disponha as metades de pêra na forma por cima do açúcar.

Misture o leite com o sumo de limão e deixe repousar por 15 minutos (o leite vai talhar).

Bata a manteiga com o açúcar até obter um creme fofo e esbranquiçado. Junte os ovos um a um, batendo entre as adições.

Aos poucos, junte a farinha (peneirada) e o leite na massa. Bata, apenas, até estar tudo bem misturado.

Deite a massa por cima das metades de pêra e leve ao forno durante 50 minutos (faça o teste do palito).

Desenforme e deixe arrefecer em cima de um rede.

terça-feira, 26 de maio de 2020

Frango campestre


 

As Aldeias


Eu gosto das aldeias socegadas,
Com seu aspecto calmo e pastoril,
Erguidas nas collinas azuladas -
Mais frescas que as manhãs finas d'Abril.

Levanta a alma ás cousas visionarias
A doce paz das suas eminencias,
E apraz-nos, pelas ruas solitarias,
Ver crescer as inuteis florescencias.

Pelas tardes das eiras - como eu gosto
Sentir a sua vida activa e sã!
Vel-as na luz dolente do sol posto,
E nas suaves tintas da manhã!

As creanças do campo, ao amoroso
Calor do dia, folgam seminuas;
E exala-se um sabor mysterioso
D'a agreste solidão das suas ruas!

Alegram as paysagens as creanças,
Mais cheias de murmurios do que um ninho,
E elevam-nos ás cousas simples, mansas,
Ao fundo, as brancas velas d'um moinho.

Pelas noutes d'estio ouvem-se os rallos
Zunirem suas notas sibilantes,
E mistura-se o uivar dos cães distantes
Com o canto metallico dos gallos...

António Gomes Leal, in 'Claridades do Sul'


 

Frango campestre

 

Ingredientes:

 

  • 1 frango do campo (este era um galo novo de capoeira conhecida)
  • 2 cebolas grandes
  • 4 dentes de alho
  • 1 folha de louro
  • Azeite q.b.
  • Sal e pimenta q.b.
  • 1 cenoura grande
  • 2 chávenas (chá) de caldo*
  • 1 ramo de cheiro (usei salsa, tomilho e alecrim)
  • 1 tirinha de pimento (usei amarelo)
  • 1 tomate maduro
  • 2 chávenas (chá) de ervilhas

* façam um caldo caseiro (cozendo frango/carne/rabo de boi, cebola, cenoura, aipo, alho francês, salsa...). Podem preparar em quantidade maior e congelar, para futuras utilizações. 



Preparação:



Partir o frango em pedaços e limpar de gorduras excessivas. Reservar.

Num tacho deitar o azeite, a cebola laminada [usei a mandolina Mando Chef], os alhos socados, o louro e deixar alourar. Juntar a cenoura laminada, o tomate (usei um congelado e laminado), o pimento e deixar refogar uns minutos.

Distribuir o frango por cima da "cama" preparada anteriormente no tacho e temperar de sal e pimenta de ambos os lados.

Regar com o caldo, adicionar o ramo de cheiro e deixar estufar lentamente durante cerca de 1 hora.
No final deste tempo, juntar as ervilhas, tapar o tacho e continuar a refogar em lume médio cerca de 30 minutos.








 vídeo passo-a-passo


Receita preparada em parceria com a Tupperware

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Pão caseiro





Pão!

"Nas primeiras semanas de confinamento, fomos deixando levedar as nossas angústias, amassando o medo e convertendo-o no mais antigo gesto de solidariedade: partilhar o pão. Como se voltar às coisas mais simples nos ajudasse a reconquistar o controlo sobre as nossas vidas.
Fomos amparadas pelas redes sociais, onde se deu o verdadeiro milagre de multiplicação de receitas(...)"



Revista: ACTIVA Junho 2020




Ingredientes:

  • 500 g de farinha de trigo sem fermento (usei T65)
  • 10 g de fermento padeiro fresco
  • 400 ml de água tépida
  • 10 g de sal

 

Preparação:


Misture a água morna com o fermento desfeito.
Mexa até diluir e deixe a repousar uns 10 minutos.

Num recipiente grande coloque a farinha e o sal. Abra um buraco no centro da farinha e verta lá a água fermentada.

Com a mão, ou colher de pau, vá envolvendo até que tudo esteja bem misturado. Não é preciso amassar nada, apenas misturar até que a farinha absorva toda a água.

Cubra com um pano e deixe levedar 2 a 3h, ou até que a massa tenha duplicado de tamanho.

Numa superfície, bem enfarinhada, despeje a massa levedada. Puxe uma ponta da massa até ao centro e depois a outra. Repita esta operação 3/4 vezes. Forme uma "bola" com a massa e deixe-a repousar.

Ligue o forno a 230ºC, e meta lá dentro o tacho de ferro onde vai cozer o pão. (Pode optar por cozê-lo no tabuleiro do forno ou noutra caçarola que tenha tampa e possa ir ao forno)

Polvilhe o fundo do tacho com farinha e coloque a massa lá dentro com a dobra para baixo. Polvilhe a massa com farinha e faça um corte superficial na parte superior da massa.

Tape o tacho e leve-o ao forno durante 30 minutos. No final desse tempo, retire a tampa e deixe cozer mais 20 minutos.







Outras receitas de pão:









terça-feira, 12 de maio de 2020

Bolo de iogurte e curd de limão

 

 

 

E se a vida te der limões?


A árvore não prova a doçura dos próprios frutos; o rio não bebe suas próprias ondas; as nuvens não despejam água sobre si mesmas. A força dos bons deve ser usada para benefício de todos. - Provérbio Hindu

 

 


 

 

 

Receita criada para o robot Cuisine Companion da Moulinex

 

h

 


Bolo de iogurte e curd de limão

 

Ingredientes:

  • 4 ovos
  • 1 chávena (chá) de açúcar
  • 1 iogurte natural
  • 4 colheres (sopa) de curd de limão 
  • 2 chávenas (chá) de farinha de trigo  

glacê para cobertura (opcional):
  • 1/3 de chávena (chá) de açúcar em pó
  • 1 colher (sopa) de sumo de limão
  • 1 colher (sopa) de água

OBS.: a chávena utilizada tem a capacidade de 250ml

 

Preparação:


Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Com o acessório batedor, coloque as claras no robot. Programe velocidade 9, 4 minutos ou até as claras ficaram bem firmes. Retire-as para um recipiente e reserve.

Na taça (sem lavar da operação anterior), munida do acessório batedor, coloque as gemas, o açúcar e programe velocidade 9, durante 2 minutos. Adicione o iogurte, o curd de limão e programe velocidade 9, durante 2 minutos.

Verta esta mistura numa taça grande, acrescente a farinha peneirada e mexa com a vara de arames até obter uma massa homogénea. Envolva, delicadamente, as claras batidas à massa.

Verta a massa numa forma, previamente untada (ou revestida de papel vegetal) e leve ao forno durante cerca de 45 minutos. Antes de retirar, verifique a cozedura com um palito.

Desenforme o bolo depois de morno e regue com o glacê de limão que preparou juntando todos os ingredientes e batendo bem.

 

 

Creme de limão ou Lemon Curd





Receita para Cuisine Companion


 receita encontrada na página francesa do robot Cuisine Companion.

 

terça-feira, 5 de maio de 2020

Tarte de amêndoa - Dia da Mãe





O Dia da Mãe é todos os dias!


Quando eu nasci,
ficou tudo como estava.

Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve estrelas a mais...
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.

Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.

As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém...

Pra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe...

Sebastião da Gama, in 'Antologia Poética'

 

 

 

Tarte de amêndoa


Ingredientes:


  • 5 ovos
  • 250 gr de açúcar
  • 250 gr de amêndoa moída (farinha de amêndoa)
  • 1 raspinha de limão

Preparação:



Numa taça deitar os ovos, o açúcar e mexer (sem bater).
Juntar a amêndoa, aos poucos, a raspa de limão e mexer até ficar um preparado homogéneo.
Verter a massa numa tarteira, untada com manteiga.
Levar a forno pré-aquecido a 180º durante 30 minutos.
Deixar arrefecer e decorar a gosto. 



Quem não viu o Direto "A Mesa dos Portugueses", onde preparei esta tarte de amêndoa, especial Dia da Mãe, pode ver agora. O vídeo está disponível 🎥





segunda-feira, 4 de maio de 2020

Empadão de mimos de pescada com camarão




"Há mares que vêm para o bem."







Ingredientes:


  • 4 mimos (ou medalhões) de Pescada
  • 12 camarões médios
  • 500 ml Béchamel Parmalat Levíssima
  • 1 cebola
  • 2 dentes de alho
  • 50 ml de azeite
  • 1 tomate maduro
  • 1/4 de pimento vermelho

Para o puré de batata:
  • 1 kg de batatas
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • 200 ml de leite
  • 1 colher (sopa) de sumo de limão
  • Sal e pimenta q.b.
  • Noz moscada q.b.

Preparação:


Num tacho, com água a ferver (temperada de sal), coza a pescada durante cerca de 10 minutos. Ao fim deste tempo junte os camarões e assim que a água levante fervura deixe cozer 2 minutos. Coe e reserve. [Pode cozer ao vapor]

Coza as batatas (em água temperada de sal) e reduza-as a puré, acrescente-lhes a manteiga, o leite, uma pitada de pimenta e noz-moscada, o sumo de limão e mexa com a colher de pau até que fique macio.

Num tacho, deite o azeite, a cebola e o alho. Leve a lume e deixe amolecer um pouco. Junte o tomate (limpo de peles e sementes) aos cubos pequenos e o pimento (cortado em lâminas muito finas).
Envolva e deixe estufar uns 3 minutos. Adicione a Pescada (desfeita), os camarões (descascados) e mexa.
Regue com cerca de 2/3 do molho Béchamel e misture tudo. Desligue o fogão e reserve.

Coloque metade do puré no fundo de um pirex. Cubra-a com a camada de pescada.
Faça outra camada de puré e por cima deste regue com o Béchamel restante.
Leve ao forno pré-aquecido a 200ºC, durante cerca de 15 minutos, na opção de gratinar (grill).


Retire do forno e sirva de imediato.





Receita desenvolvida para a Parmalat

Receita em Parmalat: Empadão de pescada e camarão

quarta-feira, 29 de abril de 2020

O pão nosso de cada dia




Nem tudo é farinha do mesmo saco!

 

Farinha Tipo 45 – Farinha Flor

A Farinha Flor ou Farinha de Trigo tipo 45, é a farinha mais refinada e branca de todas as farinhas disponibilizadas nas grandes superfícies. É a farinha ideal para a confeção de todo o tipo de doces e sobremesas,  a utilização desta farinha resulta em doces muito fofinhos e de excelente qualidade.

 

Farinha Tipo 55 – Farinha Super Fina

A Farinha Super Fina tipo 55, é das farinhas mais utilizadas na preparação dos cozinhados em nossas casas. É a melhor opção para a confeção de bolos, bolinhos, tartes, pastéis, massas levedadas, entre outras.

 

Farinha Tipo 65 – Farinha Fina

A Farinha tipo 65, farinha fina é a mais utilizada na panificação, quer seja caseira ou industrial. O chamado, pão branco é o pão que mais se produz e consome no mundo inteiro e é feito a partir desta farinha. Mas não é exclusivamente para o fabrico de pão que utilizamos este tipo de farinha, com ele também pode preparar  bolos, tartes ou pastéis.

 

Farinha Tipo 80 – Farinha Semi-integral

As farinhas tipo 80 e 110 e as semi-integral são utilizadas na panificação industrial e caseira. Excelentes para a confeção do pão semi-integral, muito saudável e equilibrado.

 

Farinha Tipo 150 – Farinha Integral

A Farinha de Trigo tipo 150 ou farinha integral é muito utilizada na industria da panificação. Dá origem a um pão saudável e muito rico em sementes, com uma textura compacta e mais escura do que os restantes tipos de farinha. A sua utilização é similar às restantes farinhas, sendo utilizada na confecção de bolos de fruta, bolachas, pastéis entre outros.

 

Farinha Autolevedante

As farinhas autolevedantes são aquelas às quais se adicionou previamente um fermento químico. Indicadas para um melhor resultado na confecção de bolos e massas leves.

 

informação daqui: Conheça os tipos de farinha mais comuns

 

 


Ingredientes:

 


  • 500g de farinha de trigo T80
  • 10g de fermento de padeiro fresco
  • 400 ml de água morna
  • 1 colher (chá) de açúcar
  • 10g de sal

Preparação:



Misture a água morna com o fermento e o açúcar. Mexa até diluir e deixe repousar uns minutos (10/15).

Num recipiente coloque a farinha e o sal. Abra um buraco no centro da farinha e verta lá a água fermentada. Misture até que a farinha absorva toda a água.

Cubra com um pano e deixe levedar 2 a 3h, ou até que a massa tenha duplicado de tamanho (isto é muito importante).

Numa superfície, bem enfarinhada, despeje a massa levedada. Puxe uma ponta da massa até ao centro e depois a outra. Repita esta operação duas vezes. 
Forme uma "bola" com a massa, girando-a com as mãos, empurrando ligeiramente para o centro e para baixo. Depois de ter o pão moldado, deixe a massa repousar (o tempo de o forno aquecer).

Ligue o forno a 220ºC, e meta lá dentro o tacho onde vai cozer o pão. (Pode optar por cozê-lo no tabuleiro do forno ou noutra caçarola que tenha tampa e possa ir ao forno)

Polvilhe o fundo do tacho com farinha e coloque a massa lá dentro com a dobra para baixo. Polvilhe a massa com farinha e faça um corte superficial na parte superior da massa usando uma lâmina (uso faca afiada).

Tape o tacho e leve-o ao forno durante 30 minutos. No final desse tempo, retire a tampa e deixe cozer mais 20 minutos para criar uma boa crosta.

Retire do forno, tire o pão do tacho e ponha-o a arrefecer em cima de uma rede/grade.




quinta-feira, 23 de abril de 2020

Pão de trigo e centeio - massa mãe


 

O pão que eu amassei!


Fazer pão dá-me uma satisfação enorme. E, agora, sem recorrer a fermento químico é indescritível!
Este pão é a segunda experiência com massa mãe e espero que anteceda muitos outros :)

Estou em processo de aprendizagem, de experiências e adaptações, mas já me atrevo a partilhar a receita convosco e dizer-vos que a podem seguir. Claro que terão que fazer os vossos ajustes, pois não há duas massas mãe iguais... e há muitas variáveis que interferem neste processo.

Recomendo-vos que leiam e vejam vídeos, pois também é assim que tenho aprendido. 
Há várias páginas interessantes sobre esta matéria, mas a que me fez ter mais confiança e vontade de experimentar foi esta: Amo Pão Caseiro.
Além de tudo o que está publicado, que já é muito, respondem a perguntas que queiramos fazer. Fantástico!


Hoje recebi um email, cortesia da Condi, com um e-book muito bom e que partilho convosco.  


 

Pão de trigo e centeio - massa mãe

 

Ingredientes:


Esponja:
  • 150g massa mãe*
  • 150g farinha T65
  • 150 ml água mineral morna

Pão:
  • Esponja (o que resulta da mistura anterior)
  • 100g farinha de centeio
  • 250g farinha de trigo T65
  • 175ml de água tépida
  • 10g de sal

* a massa mãe saiu do frigorífico, esteve à temperatura ambiente (cerca de 10h) e foi alimentada com 100g de farinha e 100ml de água. Repousou 8h até quase dobrar o volume. Após isso retirei 150g para fazer a esponja.


Preparação: 

 

1 - Esponja: misturar a farinha com a água e mexer bem. Adicionar a mistura à massa mãe e envolver tudo até uniformizar. Deixar descansar 2/3 h


2 - Pão: misturar as farinhas e o sal, numa bacia. Abrir um buraco no centro e verter lá a água e a esponja. Envolver muito bem e levar a levedar. (O meu levedou 10h).

massa com levedação de 10h



3 - Enfarinhar um tampo de balcão, deitar lá a massa levedada e moldar o pão. (dar voltas até estar moldável)

Massa levedada                                    Massa moldada



4 - Num cesto para levedar pão (usei o escorredor de massas) colocar um paninho fino polvilhado de farinha. Meter o pão no cesto, com a abertura (onde uniu) virada para cima. Deixar repousar 3h.

abertura (onde uniu) virada para cima



5 - Levar ao forno pré-aquecido a 230ºC, dentro de um tacho (que já estava quente), durante 30 minutos. Retirar a tampa e cozer mais 20 minutos.



MASSA MÃE


O meu isco, nas várias fases do seu desenvolvimento.

Comecei no dia 11/4 e dia 15/4 coloquei-o no frigorífico. Dia 22/4 tirei-o do frigorífico e alimentei-o com 100g de farinha e 100ml de água tépida

Agora será alimentado uma vez por semana e/ou quando precisar dele para fazer pão.

1º dia: utilizei 50g de farinha de centeio + 50ml de água mineral* tépida + 1 colher (café) de mel (opcional).

2º, 3º e 4º: acrescentei, em cada dia, 100g de farinha de trigo e 100ml de água tépida.

Tive sempre o cuidado de o manter no sitio mais quente da casa, resguardado de correntes de ar.
Alimentei de 24 em 24h, tentando sempre fazê-lo no mesmo horário.

As fotos têm a data e hora em que o fotografei, para poder acompanhar o processo.


*Usar sempre água mineral (engarrafada é o mais fácil para a maioria de nós)
















segunda-feira, 20 de abril de 2020

Quiche de atum e cogumelos





Entre o Teams e a cozinha!

Os restinhos não se perdem e lá se transformam... 

Cozinhar é como pintar uma tela!


Quiche de atum, cogumelos... e do que havia!


Ingredientes:

  • 1 base de massa folhada
  • 2 latas de atum
  • 150g de cogumelos marrom
  • 2 dentes de alho
  • 1 cebola pequena
  • 1 chávena (café) de ervilhas
  • 1/2 cenoura raspada
  • 1 ovo cozido (opcional - usei porque andava no frigorífico)
  • 1 tira de pimento vermelho
  • Azeite q.b.
  • 5 ovos
  • 200ml de natas para culinária
  • Ervas aromáticas a gosto (usei tomilho, orégãos, manjericão, manjerico e alecrim)
  • Sal q.b.
  • Pimenta q.b.



Preparação:

 




Ligue o forno a 220ºC

Num copo alto deite as natas, os ovos, sal, pimenta e ervas aromáticas a gosto. Mexa com a vara de arames até misturar tudo. Reserve.

Limpe os cogumelos e corte-os em lâminas. Lamine os alhos e a cebola. Raspe a cenoura e desfaça o ovo cozido. Coloque as ervilhas numa taça e verta-lhes água quente.

Numa frigideira coloque um fio de azeite e deixe aquecer um pouco. Junte o alho, a cebola e mexa tudo. Disponha os cogumelos e deixe-os cozinhar, até que fiquem tenros.

Estenda a massa folhada numa forma de tarte e pique a base. Distribua todo o recheio pela massa. Regue com a mistura de natas e ovos. Leve ao forno durante 40 minutos (ou até estar cozinhada).

sexta-feira, 17 de abril de 2020

Croquetes de Arroz



 

A necessidade aguça o engenho!


Existem várias situações em que as adversidades nos levam a descobrir capacidades e habilidades que em circunstâncias normais continuaríamos a ignorar.

Na cozinha, como na vida, a capacidade de adaptação às mudanças é uma grande mais-valia.

Arregaçar as mangas, quanto mais não seja para lavar a loiça. E se há pratos para lavar é porque houve comida na mesa! 

Por amor à cozinha e à partilha criei, recentemente, um grupo no Facebook onde todos os membros podem publicar as suas receitas. Estou muito feliz com a adesão e participação de todos!


Há por lá receitas fantásticas, que vos convido a ir espreitar: Chefes em casa é o nome do grupo.





Ingredientes:

  • 200 g de arroz cozido
  • 40 g de manteiga
  • 60 g de farinha
  • 200 ml de leite 
  • Ovos
  • Pão ralado
  • Sal, pimenta preta, noz-moscada qb


O meu arroz tinha ervilhas e cenoura


Preparação:

 

Colocar a manteiga num tacho ao lume, logo que esteja derretida juntar a farinha e misturar bem. 




De seguida adicionar o leite e mexer bem (este procedimento é o mesmo como se estivessem a preparar um béchamel). Temperar com sal, pimenta preta e noz-moscada. 





Seguidamente adicionar o arroz e envolver de forma a obter uma massa homogénea.




Deixar arrefecer e formar os croquetes ou se preferirem formar pequenas bolas. Passar por ovo batido (para esta quantidade 1 ovo será suficiente) e pão ralado.






Fritar em óleo bem quente.







A receita que partilho convosco é da autoria do Chef Hermínio Costa - restaurante Egoísta, Póvoa de Varzim. 
Esta receita, e outras, pertence a um conjunto de sugestões que alguns Chef's prepararam para a
Chefs Agency



Sugestões do Chef Hermínio Costa:

"Se quiserem evitar a carne ou peixe os croquetes com uma salada serão certamente uma boa alternativa.
Poderão também ser um bom acompanhamento para um prato de carne ou peixe.
Aquando da preparação poderá adicionar fiambre, chouriço, presunto, bacon ou ainda miolo de camarão (neste caso previamente cozido) picado."


from Joana Namorado (Chefs Agency)
@restaurante_egoista  
#restaurante egoista 
#chefhermíniocosta