quarta-feira, 9 de setembro de 2020

Pudim de leite condensado de coco


  
"Apressa-te a viver bem e pensa que cada dia é, por si só, uma vida."

 

Casa de ferreiro, espeto de pau.


Ontem, dia do meu aniversário, não houve bolo. A intenção era fazer um, mas não havia açúcar!
Mas não foi por isso que deixou de haver um docinho ;)


Pudim de leite condensado de coco

 

Ingredientes:

  • 3 ovos
  • 350 ml leite condensado de coco
  • 350 ml leite
  • 1 colher (sobremesa) de maizena
  • caramelo* q.b. para a forma

 

*receita do caramelo aqui

 

Preparação:


Deite no liquidificador os ovos, leite condensado, leite e farinha. Bata tudo 2 minutos.
Verta o líquido na forma, previamente caramelizada e tape bem. Leve a cozer em banho-maria, na panela de pressão, durante 20 minutos. 

Depois de cozido deixe arrefecer na forma e leve ao frigorífico até ao dia seguinte ou umas 5/6 horas.


sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Costelinhas em molho de tomate e pimento




ALENTEJO


Folheia-se o caderno e eis o sul
E o sul é a palavra. E a palavra
Desdobra-se
No espaço com suas letras de
Solstício e de solfejo
Além de ti
Além do Tejo.

Verás o rio e talvez o azul
Não o de Mallarmé : soma de branco e de vazio
Mas aquela grande linha onde o abstracto
Começa lentamente a ser o
Sul.

Outro é o tempo
Outra a medida.

Tão grande a página
Tão curta a escrita

Entre o achigã e a perdiz
Entre o chaparro e o choupo

Tanto país
E tão pouco

Solidão é companheira
E de senhor são seus modos
Rei do céu de todos
E de chão nenhum

À sombra de uma azinheira
Há sempre sombra para mais um

Na brancura da cal o traço azul
Alentejo é a última utopia

Todas as aves partem para o sul
Todas as aves : como a poesia.



Manuel Alegre (in Alentejo e ninguém) 


pimenta rosa - fruto da "Schinus molle" ou aroeira-salso. Fotos tiradas em Montemor-o-Novo

Sempre que passo no Alentejo fico com uma vontade enorme de lá ficar! E ando sempre vários dias a pensar nisso. Penso na paisagem, nos sons, nos cheiros, - cheira-me a "quente" e a terra - nos alentejanos e na gastronomia, claro!

Bem, ainda não foi desta. Mas quem sabe um dia!

Embora não sendo a mesma coisa dá para atenuar a distância, trazendo à mesa um pouco daquela região. Assim que cheguei preparei uma açorda! Já a partilhei aqui convosco.

Agora foi a vez do porco. Fui ao talho para ver o que lá havia que me atraísse mais e os olhos cairam nas tiras de costelinhas. Então, disse ao senhor: Quero duas tiras de costelinhas, mas que tenham alguma carne.
Resposta dele: "Piano com teclas, é o que lhe chamo"! "É que as outras nem dão para tocar piano".

Achei piada e lá concordei com ele! Serviu-me bem e ainda me sugeriu um "petisco" (dito por ele), feito com costelinhas panadas. Nunca fiz, mas fiquei curiosa.
Disse-me para marinar bem a carne, para a panar e depois escorrer muito bem o óleo da fritura. Humm, nem deve ser nada mau não :D

Ao chegar temperei logo a carne, para ela se apanhar bem dos sabores do tempero. Andava mortinha por usar a pimenta rosa que trouxe da viagem, como se nunca tivesse experimentado esta especiaria...


O que usei no tempero:

  • sal marinho
  • alho
  • pimenta rosa
  • alecrim
  • tomilho
  • oregãos
  • sumo de limão
  • sumo de laranja

Deixei a taça no frigorífico, tapada, cerca de 3 horas. A seguir foi só juntá-la ao molho de tomate, cuja receita vos deixo abaixo, preparada para robot de cozinha. Mas que também podem preparar de forma tradicional, como já partilhei a receita cá no blogue.








Receita criada para o robot Companion XL

 

h

 



 

Molho de tomate com pimento

 

Ingredientes:

  • 1 Kg de tomates maduros
  • 1 cebola grande
  •  3 dentes de alho
  • 1/4 pimento vermelho
  • 1/8 pimento verde
  • Azeite q.b
  • Sal q.b
  • Manjericão, orégãos, tomilho e alecrim q.b
  • 1 folha de louro 
  • 1 colher (chá) de açúcar (para cortar a acidez - opcional)

 

Preparação:

Comece por preparar os tomates, lavando-os e dando-lhes um pequeno golpe em cruz no topo. Ponha-os numa taça, regue com água a ferver e escalde-os durante uns 2 ou 3 minutos, para posteriormente lhes tirar a pele.
Depois de pelados corte-os ao meio, um a um, e retire as sementes. Faça esta operação dentro de um coador para poder aproveitar todo o sumo que libertarem. Reserve esse sumo.

Prepare os pimentos cortando-os em pedaços pequenos e inicie a confecção do molho. 


Na taça da Companion XL, munida da lâmina picadora, coloque a cebola e o alho. Triture, pulsando o botão da velocidade, durante alguns segundos. Regue com um fio de azeite e programe velocidade 4, temperatura 80, 4 minutos. Junte uma folha de louro, o pimento e programe velocidade 4, temperatura 80, 4 minutos.

Adicione o tomate, o seu sumo, tempere de sal e aromáticas a gosto. Prove e se achar que está ácido adicione o açúcar. Tape e seleccione o programa Slow Cook P3, 95º, 20 minutos. 

Quando o molho estiver pronto deixe na taça o suficiente para cozinhar a carne e guarde o restante em frascos esterilizados. 


NOTA: pode usar este molho em carne, peixe, massa, pizza, etc...




Retire a lâmina picadora e disponha as costelinhas na taça, lado-a-lado. Tape e seleccione o programa Slow Cook P2, 95º, 45 minutos.


NOTA: se no final do tempo achar que prefere a carne mais tenra volte a seleccionar o programa P2 e reduza o tempo para 30 minutos.






quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Bolo de Amêndoa, Alfarroba e Doce de Figo - colaboração com a Master D Portugal





Setembro ainda me sabe a mar!


Mas o regresso ao quotidiano já se vai instalando e é tempo de retomar as actividades profissionais e escolares. E se estão sem planos e gostam de pastelaria tenho uma excelente sugestão para vos dar. Façam um Curso de Pasteleiro(a)! Onde? Leiam a informação abaixo, acedam aos links e inscrevam-se!

E já que falamos em pastelaria, que tanto amo, partilho convosco uma receita que foi elaborada em colaboração com a Master D Portugal. Este é um centro de formação que soma 18 anos de experiência em Portugal, sendo uma referência nos cursos online e semipresenciais.

A oferta curricular da Master D Portugal é de mais de 30 cursos nas áreas técnicas, profissionais e de preparação para concursos das forças de segurança.

Vou falar-vos um pouco sobre o Curso de Pasteleiro!

Lançado no ano passado, este curso da Master D ajuda os profissionais da área, ou quem se esteja a iniciar, a solucionarem os problemas do dia a dia de um pasteleiro com conhecimentos práticos e atuais.

Ao longo do percurso formativo conhecem as regras de higiene e segurança alimentar; aprendem a efetuar a correta receção e armazenamento de produtos e alimentos; exploram as técnicas de decoração e cake design, para além das técnicas de preparação de vários estilos de pastelaria.

Como o Curso de Pasteleiro é semipresencial, os formandos da Master D beneficiam das atividades nos centros formativos de Lisboa, Porto, Coimbra e Faro, bem como das atividades online através do Campus Virtual Master D.

Os formandos têm a assistência dos e-tutores através do campus, bem como dos preparadores nos centros formativos. Na opinião da maioria, a grande vantagem da Master D é o atendimento personalizado que cada formando recebe desde o princípio até ao final do seu percurso, seja nos cursos online ou nos semi-presenciais.

Escolher o seu centro de formação é um problema a menos: a Master D Portugal e o seu Curso de Pasteleiro são a porta de entrada para um futuro brilhante como pasteleiro!





Agosto, Algarve... amêndoa, alfarroba e figos. Que combinação maravilhosa!

 
Alfarrobeira (esq.), figueira (centro) e amendoeira (dir.). Fotos tiradas em Castro Marim


Em tributo ao Algarve e a este trio, que origina riquíssima pastelaria, vamos à receita do Bolo de Amêndoa, Alfarroba e Doce de Figo.

 

 

Ingredientes:

  • 150g de amêndoa com pele triturada
  • 100g de amêndoa sem pele triturada
  • 100g de farinha de alfarroba
  • 250g de doce de figo 
  • 6 ovos
  • 250g de açúcar
  • 60g de manteiga (derretida sem ferver)

Obs: pode usar as 250g de amêndoa com ou sem pele, a gosto

Preparação:


Bater os ovos com o açúcar até obter uma espuma fofa. Adicionar a manteiga em fio e bater um pouco até ligar.

Peneirar a farinha de alfarroba para dentro da taça e envolver com cuidado.
Juntar as farinhas de amêndoa e misturar tudo.
Por fim adicionar o doce de figo e envolver bem.

Verter a massa em forma revestida, no fundo, com papel vegetal e untada com manteiga nas laterais.
Levar ao forno pré-aquecido a 180ºC durante cerca de 45 minutos.



segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Açorda alentejana à minha maneira




O melhor de Portugal serve-se à mesa!
A Mesa dos Portugueses está de regresso em 2020, para a sua 9ª Edição. A 2ª edição ganhei-a eu, agora pode ser a sua vez!


Às já habituais categorias de receitas: Entradas e Sopas, Peixes e Mariscos, Bacalhau, Carnes e Caça e Doçaria, junta-se As Receitas dos Avós pelos Netos. Nesta nova categoria são procuradas receitas ensinadas pelos avós aos seus netos, com uma abordagem clássica e onde será valorizado o método de confecção tradicional. Destaca-se ainda a atribuição do Prémio Revelação à receita mais inovadora, sendo que o uso de produtos tradicionais portugueses é valorizado.



Junte-se à grande Mesa dos Portugueses e participe já!




E por falar em pratos bem portugueses partilho convosco este, que é bem simples de preparar, super económico, saudável e delicioso!


Açorda alentejana à minha maneira


A minha faço-a assim:
Parto pão alentejano, aos cubos, para um prato fundo. [podem optar por colocar a fatia de pão inteira]
Piso, no almofariz, alho e sal. Depois junto coentros, azeite e piso até ter uma pasta (também conhecido por pisto).

Fervo água, escalfo o ovo, retiro-o para cima do pão e salpico com flor de sal.

Deito  o pisto de coentros na água, mexo e rego o pão até estar todo bem ensopado.

Adiciono uns cubinhos pequenos de salpicão do cachaço de porco preto (ou chouriço) frito. 

Sirvo de imediato.


NOTA: o chouriço é opcional. É também muito comum (e bom) cozer um pouco de bacalhau na água usada para a açorda, que depois vai em lascas acompanhar a dita.


Como fazem a vossa?


sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Doce de figo com Vinho do Porto



Figo, fruta da época


A maneira correcta de comer um figo à mesa
É parti-lo em quatro, pegando pelo pedúnculo,
E abri-lo para dele fazer uma flor de mel, brilhante, rósea, húmida, desabrochada em quatro espessas pétalas.

Depois põe-se de lado a casca
Que é como um cálice quadrissépalo,
E colhe-se a flor com os lábios.

Mas a maneira vulgar
É pôr a boca na fenda, e de um sorvo só aspirar toda a carne.

Cada fruta tem o seu segredo.

O figo é uma fruta muito secreta.
Quando se vê como desponta direito, sente-se logo que é simbólico:
Parece masculino.
Mas quando se conhece melhor, pensa-se como os romanos que é uma fruta feminina.
(...)
Foi sempre segredo.
E assim deveria ser, a fêmea deveria manter-se para sempre secreta.

(...)
Os figos maduros não se ocultam.

Figos branco-mel do Norte, negros figos de entranhas escarlates do Sul.
Os figos maduros não se ocultam, não se ocultam sob nenhum clima.
Que fazer então quando todas as mulheres do mundo se abrirem na sua afirmação?

Quando os figos abertos se não ocultarem? 

«Figos», de Herberto Helder






Ingredientes:


  • 1,2Kg de figos frescos
  • 0,5Kg de açúcar amarelo
  • 1 cálice (generoso) de Vinho do Porto
  • 1 laranja pequena (sumo)
  • 1 pau de canela


Preparação:


Limpar os figos, cortar os pés, abrir ao meio e colocar num recipiente em camadas alternadas com o açúcar. Regar com o Vinho do Porto, tapar e deixar macerar umas horas (o meu ficou toda a noite).

Retirar os figos macerados, juntar o sumo de laranja e triturar bem. Adicionar o "xarope" de vinho e açúcar, o pau de canela e levar a ferver cerca de uma hora. Mexer de vez em quando.



Receita criada para o robot Companion XL

 

h

  

 

1 - Na taça da Companion XL, munida da lâmina picadora, coloque os figos (macerados) e o sumo de laranja. Triture, pulsando o botão da velocidade, durante alguns segundos.

2 - Retire a lâmina e coloque o acessório batedor. Adicione o "xarope" de vinho e açúcar, o pau de canela e programe velocidade 2, temperatura 120, 60 minutos.


segunda-feira, 3 de agosto de 2020

molho de tomate com pimento







"Haja fartura, que a fome ninguém a atura"


Fico felicíssima quando me presenteiam com produtos de hortinhas, como foi o caso destes tomates. 
Para além de preferir um milhão de vezes comer o que sei ter sido produzido de forma tão natural, sinto sempre entusiasmo em pensar no que poderei fazer com tais "relíquias".

Um enormíssimo obrigada a quem produz alimentos e garante que não nos falte o essencial!









Ingredientes:


  • tomates maduros (usei os chucha) - não pesei, mas eram uns 2kg
  • 1 cebola bem grande e boa
  • 5 dentes de alho
  • 1/2 pimento vermelho
  • 1/4 pimento verde
  • 1/2 pimento malagueta
  • Azeite q.b
  • Sal q.b
  • Manjericão, orégãos, tomilho e alecrim q.b
  • 1 folha de louro 
  • 1 colher (chá) de açúcar (para cortar a acidez - opcional)


Preparação:


Comece por preparar os tomates, lavando-os e dando-lhes um pequeno golpe em cruz no topo. Ponha uma panela com água a ferver e escalde-os durante uns 2 ou 3 minutos, para posteriormente lhes tirar a pele.
Depois de pelados corte-os ao meio, um a um, e retire as sementes. Faça esta operação dentro de um coador para poder aproveitar todo o sumo que libertarem. Reserve esse sumo.
Corte o tomate em pequenos pedaços para facilitar que este se desfaça ao cozinhar. Reserve.

Prepare a cebola, alho e pimentos cortando-os em pequenos pedaços e inicie a confecção do molho.

Leve ao fogão um tacho com um bom fio de azeite, a cobrir o fundo, e aqueça-o ligeiramente. Adicione a cebola e deixe refogar um pouco em lume brando para não a queimar.






Quando a cebola estiver macia junte-lhe o alho, misture e deixe refogar uns minutos (sempre em lume brando), mexendo ocasionalmente.





 Adicione os pimentos e deixe refogar.





Junte uma folha de louro. 






Adicione o tomate, envolva tudo e deixe cozinhar uns minutos.





Verta o sumo de tomate, tempere de sal e aromáticas a gosto. Prove e se achar que está ácido adicione o açúcar para cortar a acidez (eu utilizei).





Tape o tacho e deixe refogar cerca de 40 minutos, sempre em lume muito brando, e mexendo de vez em quando. É importante que mantenha algum líquido, por isso vá prestando atenção.

Enquanto o tomate refoga prepare os frascos e tampas, esterilizando-os em água a ferver. Ponha-os a escorrer virados com o bocal para baixo, em cima de um pano limpo. 

Quando o molho estiver pronto vaze-o para os frascos, tampe-os muito bem e vire-os com a tampa para baixo até arrefecerem. 


NOTA: rendeu 5 frascos de 250ml e por isso estimo que se gastem rápido. Se fizerem em quantidade que não vão gastar nas próximas semanas então sugiro que coloquem os frascos numa panela (depois de cheios) cobertos de água a ferver. Isto vai aumentar a durabilidade do molho.







terça-feira, 30 de junho de 2020

Bolo de chocolate com cobertura de brigadeiro





Simples e Decadente


(...)
Come chocolates, pequena;
Come chocolates!
Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
Come, pequena suja, come!
Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!
Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folha de estanho,
Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.

Álvaro de Campos

 

 

Bolo diabólico é como me apetece chamar-lhe!

 

Ingredientes:

  • 5 ovos
  • 1 chávena de óleo de girassol
  • 1 e 1/2 chávena de água quente
  • 1 e 1/2 chávena de açúcar
  • 2 chávenas de chocolate em pó
  • 2 chávenas de farinha (usei T65 - a que tinha)
  • 1 chávena (mal cheia) de amido de milho
  • 1 colher de sopa de fermento em pó


Preparação:


Bata os ovos, óleo, açúcar e água no liquidificador até envolver bem.
Verta numa taça e aos poucos vá adicionando os secos (farinhas, chocolate e fermento) peneirados.
Deite a massa num tabuleiro untado com manteiga e polvilhado com cacau em pó. Leve ao forno pré-aquecido a 180ºC, durante 35 minutos.

Retire do forno e deixe arrefecer um pouco. Quando estiver morno regue com a cobertura de brigadeiro (ver receita abaixo).






 

Receita criada para o robot Companion XL

 

h

 



Cobertura de brigadeiro


Ingredientes: 

  • 200g de leite em pó
  • 200g de açúcar 
  • 150ml de água
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • 2 colheres (sopa) de chocolate em pó

1 - Na taça da Companion XL, munida da lâmina picadora, coloque o leite em pó, o açúcar, a água e programe 10 minutos, 90º, velocidade 3.

2 - Retire a lâmina e coloque o acessório batedor. Ao leite condensado (preparação anterior) junte a manteiga e o chocolate. Programe velocidade 4, 95° por 8 minutos. Depois programe velocidade 4, 100° por 10 minutos.


 Leite condensado (passo 1)


quinta-feira, 18 de junho de 2020

Pataniscas de bacalhau




pa·ta·nis·ca

(origem duvidosa)
nome feminino

1. [Culinária]  Isca de bacalhau frita depois de envolta em polme geralmente temperado com cebola e salsa picadas, sal e pimenta. = LAROCA



"patanisca", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [consultado em 18-06-2020]




Na casa dos meus pais chamavam-se iscas de bacalhau e eram feitas de forma idêntica a esta receita que partilho convosco. A dada altura comecei a ouvir chamarem-lhe pataniscas e a perceber que em algumas zonas, como na Ribeira/ Cais de Gaia, as iscas de bacalhau eram uma posta (geralmente fina) envolta em polme (farinha, água, ovos...). 
Quem se lembra do Jaime das iscas, na Ribeira de Gaia? Eram boas, eram!!!

Portanto, a haver diferença, esta será entre o bacalhau lascado e/ou o bacalhau inteiro. Será assim?

Dicotomia à parte, actualmente as pataniscas já não se fazem só de bacalhau e há-as para todos os gostos e tipos de regime alimentar, incluindo vegetariano.

Voltando às de bacalhau, há algumas variações nos igredientes e/ou forma de preparação.
Vi várias receitas, mais recentes, onde as preparam com leite e água, só leite, água gaseificada, cerveja, só ovos, água de cozer o bacalhau, as claras batidas, bacalhau cozido, escaldado...
E por último, mas não menos importante: com ou sem cebola! Há quem defenda acerrimamente que a deve levar e quem diga o contrário. Eu digo que são gostos pessoais e que o cozinha é isto mesmo: experiências e mais experiências.

Já comi com e sem, provavelmente como a maioria de vós. Gosto de cebola e não me incomoda nada que a tenha, mas talvez pela minha memória gustativa mais antiga não a incluir, opto por fazer sem este ingrediente. Aí mandam vocês e por isso façam-nas como vos for mais aprazível!




Ingredientes: 

 

  • 200g de bacalhau demolhado e lascado
  • 200g de farinha (usei T65)
  • 2 ovos
  • 150ml de água*
  • 1 ramo de salsa
  • sal e pimenta q.b.


* valor de referência, mas pode usar mais ou menos dependendo da consistência que gostar.


Preparação:



Colocar a farinha e sal numa taça. Misturar, abrir um buraco no centro, verter os ovos e metade da água. Mexer bem até não ter grumos e ajustar a água até ter a consistência pretendida.
Juntar o bacalhau, a salsa picada e envolver bem. Temperar com pimenta e, se necessário, de sal.

Levar a fritar em óleo ou azeite quente. Deixar escorrer o excesso de gordura em papel absorvente.




 vídeo passo-a-passo



terça-feira, 16 de junho de 2020

Bacalhau confitado

 

 

Entre um natal e outro, um bom lombo de bacalhau sabe tão bem! 


Este era da Islândia e foi comprado no meu (nosso) Mercado do Bolhão logo ali a seguir às festividades natalícias. Tal como me ensinou o vendedor, mantive-o no frigorífico dentro de um saquinho e com a pele voltada para cima. A dessalga foi feita durante 4 dias, no frigorífico, mudando a água de 12 em 12 horas. Aprovadissimas as dicas!





Ingredientes:


  • 2 lombos de bacalhau
  • q.b de azeite (usei uma garrafa 0,75)
  • 3 dentes de alho
  • 1 folha de louro
  • 6 grãos de pimenta branca


Nota: o azeite que não for consumido na refeição pode ser coado e usado para outras preparações

 

Preparação:


robô de cozinha: no copo coloque o azeite, alho, louro e pimenta. Programe 20 min a 80º. Adicione o bacalhau e programe 50 min a 70º.



Tradicional: Num tacho, coloque o azeite, alho, louro e pimenta. Leve-o ao lume muito brando para aquecer, sem ferver (cerca de 10 minutos). Adicione o bacalhau e leve de novo ao lume, sempre sem ferver, durante cerca de 50 minutos.


Sugestão de acompanhamento: batata cozida com casca (cozi ao vapor no robô de cozinha) e grelos cozidos.

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Choquinhos com coentros à Algarvia




Está de volta o calor!


Está de volta a vontade de mar e de pratos coloridos que me saibam a férias e a dias longos.

Começamos a época dessas receitas com estes simples e deliciosos Choquinhos com coentros à Algarvia.

 

 

Ingredientes:


  • 500 g de choquinhos limpos (usei congelados)
  • Azeite q.b.
  • 1 folha de louro 
  • 4 dentes de alho
  • 1 malagueta (opcional)
  • 50 ml vinho branco
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • 1 raminho de coentros
  • sumo de limão q.b

 

Preparação:


Descongele os choquinhos.

Unte o fundo de uma frigideira (é fundamental ter uma de boa qualidade - usei a Master Swiss) com azeite. Junte o louro, os dentes de alho esmagados e a malagueta cortada em rodelas finas, e deixe amolecer.

Escorra bem os Choquinhos, seque com papel absorvente e disponha-os na frigideira e frite, durante cerca de 10 minutos, mexendo com frequência.

Adicione o vinho e deixe ferver até evaporar. Depois, junte a manteiga e mexa até derreter. Regue com o sumo de limão, salpique com os coentros picados grosseiramente, envolva tudo e sirva de imediato.

Sugestão de acompanhamento: batata doce ou normal cozida.







vídeo passo-a-passo


Receita preparada em parceria com a @BoasComprasbonsdescontos

INSTAGRAM    
FACEBOOK 

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Bolo de Pêra



Semeia, contempla quando florir e deixa amadurecer.


"Se te contentas com os frutos ainda verdes,
toma-os, leva-os, quantos quiseres.
Se o que desejas, no entanto, são os mais saborosos,
maduros, bonitos e suculentos,
deverás ter paciência.
Senta-te sem ansiedades.
Acalma-te, ama, perdoa, renuncia, medita e guarda silêncio.
Aguarda.
Os frutos vão amadurecer."

 

 

 

Ingredientes:


Base:
  • 20 g de manteiga
  • 40 g de açúcar amarelo
  • 3 pêras médias
  • Sumo de limão q.b
Bolo:
  • 60 g de manteiga (à temperatura ambiente)
  • 150 g de açúcar branco
  • 3 ovos
  • 200 g de farinha com fermento
  • 180 ml de leite
  • 1 colher e 1/2 (sopa) de sumo de limão

Preparação:


Pré-aqueça o forno a 180°C

Unte uma forma redonda (usei 22 cm) com manteiga e forre o fundo com papel vegetal. Distribua a manteiga, em pedacinhos, por cima do papel vegetal e polvilhe com o açúcar amarelo.

Descasque as pêras, corte-as ao meio, retire o caroço e regue com sumo de limão para evitar que escureçam. Disponha as metades de pêra na forma por cima do açúcar.

Misture o leite com o sumo de limão e deixe repousar por 15 minutos (o leite vai talhar).

Bata a manteiga com o açúcar até obter um creme fofo e esbranquiçado. Junte os ovos um a um, batendo entre as adições.

Aos poucos, junte a farinha (peneirada) e o leite na massa. Bata, apenas, até estar tudo bem misturado.

Deite a massa por cima das metades de pêra e leve ao forno durante 50 minutos (faça o teste do palito).

Desenforme e deixe arrefecer em cima de um rede.

terça-feira, 26 de maio de 2020

Frango campestre


 

As Aldeias


Eu gosto das aldeias socegadas,
Com seu aspecto calmo e pastoril,
Erguidas nas collinas azuladas -
Mais frescas que as manhãs finas d'Abril.

Levanta a alma ás cousas visionarias
A doce paz das suas eminencias,
E apraz-nos, pelas ruas solitarias,
Ver crescer as inuteis florescencias.

Pelas tardes das eiras - como eu gosto
Sentir a sua vida activa e sã!
Vel-as na luz dolente do sol posto,
E nas suaves tintas da manhã!

As creanças do campo, ao amoroso
Calor do dia, folgam seminuas;
E exala-se um sabor mysterioso
D'a agreste solidão das suas ruas!

Alegram as paysagens as creanças,
Mais cheias de murmurios do que um ninho,
E elevam-nos ás cousas simples, mansas,
Ao fundo, as brancas velas d'um moinho.

Pelas noutes d'estio ouvem-se os rallos
Zunirem suas notas sibilantes,
E mistura-se o uivar dos cães distantes
Com o canto metallico dos gallos...

António Gomes Leal, in 'Claridades do Sul'


 

Frango campestre

 

Ingredientes:

 

  • 1 frango do campo (este era um galo novo de capoeira conhecida)
  • 2 cebolas grandes
  • 4 dentes de alho
  • 1 folha de louro
  • Azeite q.b.
  • Sal e pimenta q.b.
  • 1 cenoura grande
  • 2 chávenas (chá) de caldo*
  • 1 ramo de cheiro (usei salsa, tomilho e alecrim)
  • 1 tirinha de pimento (usei amarelo)
  • 1 tomate maduro
  • 2 chávenas (chá) de ervilhas

* façam um caldo caseiro (cozendo frango/carne/rabo de boi, cebola, cenoura, aipo, alho francês, salsa...). Podem preparar em quantidade maior e congelar, para futuras utilizações. 



Preparação:



Partir o frango em pedaços e limpar de gorduras excessivas. Reservar.

Num tacho deitar o azeite, a cebola laminada [usei a mandolina Mando Chef], os alhos socados, o louro e deixar alourar. Juntar a cenoura laminada, o tomate (usei um congelado e laminado), o pimento e deixar refogar uns minutos.

Distribuir o frango por cima da "cama" preparada anteriormente no tacho e temperar de sal e pimenta de ambos os lados.

Regar com o caldo, adicionar o ramo de cheiro e deixar estufar lentamente durante cerca de 1 hora.
No final deste tempo, juntar as ervilhas, tapar o tacho e continuar a refogar em lume médio cerca de 30 minutos.








 vídeo passo-a-passo


Receita preparada em parceria com a Tupperware

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Pão caseiro





Pão!

"Nas primeiras semanas de confinamento, fomos deixando levedar as nossas angústias, amassando o medo e convertendo-o no mais antigo gesto de solidariedade: partilhar o pão. Como se voltar às coisas mais simples nos ajudasse a reconquistar o controlo sobre as nossas vidas.
Fomos amparadas pelas redes sociais, onde se deu o verdadeiro milagre de multiplicação de receitas(...)"



Revista: ACTIVA Junho 2020




Ingredientes:

  • 500 g de farinha de trigo sem fermento (usei T65)
  • 10 g de fermento padeiro fresco
  • 400 ml de água tépida
  • 10 g de sal

 

Preparação:


Misture a água morna com o fermento desfeito.
Mexa até diluir e deixe a repousar uns 10 minutos.

Num recipiente grande coloque a farinha e o sal. Abra um buraco no centro da farinha e verta lá a água fermentada.

Com a mão, ou colher de pau, vá envolvendo até que tudo esteja bem misturado. Não é preciso amassar nada, apenas misturar até que a farinha absorva toda a água.

Cubra com um pano e deixe levedar 2 a 3h, ou até que a massa tenha duplicado de tamanho.

Numa superfície, bem enfarinhada, despeje a massa levedada. Puxe uma ponta da massa até ao centro e depois a outra. Repita esta operação 3/4 vezes. Forme uma "bola" com a massa e deixe-a repousar.

Ligue o forno a 230ºC, e meta lá dentro o tacho de ferro onde vai cozer o pão. (Pode optar por cozê-lo no tabuleiro do forno ou noutra caçarola que tenha tampa e possa ir ao forno)

Polvilhe o fundo do tacho com farinha e coloque a massa lá dentro com a dobra para baixo. Polvilhe a massa com farinha e faça um corte superficial na parte superior da massa.

Tape o tacho e leve-o ao forno durante 30 minutos. No final desse tempo, retire a tampa e deixe cozer mais 20 minutos.







Outras receitas de pão:









terça-feira, 12 de maio de 2020

Bolo de iogurte e curd de limão

 

 

 

E se a vida te der limões?


A árvore não prova a doçura dos próprios frutos; o rio não bebe suas próprias ondas; as nuvens não despejam água sobre si mesmas. A força dos bons deve ser usada para benefício de todos. - Provérbio Hindu

 

 


 

 

 

Receita criada para o robot Cuisine Companion da Moulinex

 

h

 


Bolo de iogurte e curd de limão

 

Ingredientes:

  • 4 ovos
  • 1 chávena (chá) de açúcar
  • 1 iogurte natural
  • 4 colheres (sopa) de curd de limão 
  • 2 chávenas (chá) de farinha de trigo  

glacê para cobertura (opcional):
  • 1/3 de chávena (chá) de açúcar em pó
  • 1 colher (sopa) de sumo de limão
  • 1 colher (sopa) de água

OBS.: a chávena utilizada tem a capacidade de 250ml

 

Preparação:


Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Com o acessório batedor, coloque as claras no robot. Programe velocidade 9, 4 minutos ou até as claras ficaram bem firmes. Retire-as para um recipiente e reserve.

Na taça (sem lavar da operação anterior), munida do acessório batedor, coloque as gemas, o açúcar e programe velocidade 9, durante 2 minutos. Adicione o iogurte, o curd de limão e programe velocidade 9, durante 2 minutos.

Verta esta mistura numa taça grande, acrescente a farinha peneirada e mexa com a vara de arames até obter uma massa homogénea. Envolva, delicadamente, as claras batidas à massa.

Verta a massa numa forma, previamente untada (ou revestida de papel vegetal) e leve ao forno durante cerca de 45 minutos. Antes de retirar, verifique a cozedura com um palito.

Desenforme o bolo depois de morno e regue com o glacê de limão que preparou juntando todos os ingredientes e batendo bem.

 

 

Creme de limão ou Lemon Curd





Receita para Cuisine Companion


 receita encontrada na página francesa do robot Cuisine Companion.