quinta-feira, 16 de abril de 2020

Pão de trigo e alfarroba - tipo chapata



"O fruto da alfarrobeira é como o porco: tudo pode ser aproveitado" 

 

O fruto da alfarrobeira é como o porco: tudo pode ser aproveitado. A excelência vem-lhe da semente de que se extrai a goma, constituída por hidratos de carbono que possuem uma elevada qualidade como espessante, estabilizante, emulsionante e múltiplas utilizações nas indústrias alimentar, farmacêutica, têxtil e cosmética. Mas, a semente representa apenas 10% da vagem e a polpa é utilizada na alimentação animal e, devido ao seu sabor e características bioquímicas, pode ter muitas aplicações culinárias.


No poema “Em Louvor da Alfarrobeira”, inserido no livro de “Natural do Algarve”, Leonel Neves, meteorologista e grande autor de poemas e histórias para jovens, explica por que elege a alfarrobeira, entre as suas “árvores de amar”; antes da amendoeira e da figueira.


Sobre a amendoeira, diz: “trouxe o inverno pássaros de neve/ que acharam no Algarve a Primavera,/ e deles a amendoeira fez um véu”.

A pobre da figueira “embala a fome aos donos e a todos/ - pássaros, vagabundos e meninos” mas, “no inverno já ninguém a ama,/ e atira ao vento os braços desprezados,/ como uma mãe que chama/ moços mortos no mar ou emigrados...”


A alfarrobeira, não. “Séria, quieta,/ mal se vê, não se despe nem se perde:/ concebe os frutos, íntima e discreta,/ no silêncio da sua copa verde.” E oferece-nos “pão de mula, com lágrimas lá dentro”. “Sementes de alfarroba que o Algarve exporta/ e que depois importa/ como tinta, como cola./ Tinta para um cartaz com amendoeiras,/ cola de caixa com figuinhos lampos.”


informação daqui: Cata-Ventos: Em louvor da alfarrobeira





Pão de trigo e alfarroba



Ingredientes:


  • 375g farinha trigo T65
  • 125g farinha alfarroba
  • 450ml de água tépida
  • 10g de sal
  • 10g de açúcar
  • 20g fermento de padeiro fresco (ou 10g de fermento seco... ou 200g de massa mãe)


Preparação:

 

Misture a água morna com o fermento e o açúcar. Mexa até diluir, usando uma colher de pau, e deixe a repousar uns minutos (10 a 15).



Num recipiente grande coloque as farinhas e o sal. Abra um buraco no centro da farinha e verta lá a água fermentada.



Com a mão vá envolvendo até que tudo esteja bem misturado. Não é preciso amassar nada, apenas misturar até que a farinha absorva toda a água.



Cubra com um pano e deixe levedar 2 a 3h, ou até que a massa tenha, no mínimo, duplicado de tamanho (a minha triplicou).



Numa superfície, bem enfarinhada, despeje a massa levedada. Puxe uma ponta da massa até ao centro e depois a outra. Repita esta operação algumas vezes, polvilhando com farinha de trigo, até que a massa ganhe consistência.

Divida a massa em 2 partes iguais e depois de ter os pães moldados, deixe a massa repousar.

Coloque os pães num tabuleiro, forrado com papel vegetal ou tapete anti aderente e polvilhado com farinha.



Leve ao forno pré-aquecido a 240ºC, durante 45 minutos ou até que esteja cozido.

NOTA: esta massa é muito mole, pelo que terá que ser trabalhada com algum cuidado. Vá polvilhando sempre, enquanto molda os pães. Coloquei uma taça com água no forno, para libertar humidade enquanto o pão cozia.

 

 

SUGESTÃO:

 

Faça uma bela sanduíche!

sanduíche

Pão de trigo e alfarroba
queijo q.b.
fiambre q.b.
bacon q.b. (ficou a tostar no forno quando tirei o pão)
1 ovo (o que usei era de pata) 🙂
maionese q.b.

Abrir o pão e acamar tudo lá dentro (até desmoronar e não caber mais). 👌

2 comentários:

  1. É possível esta receita ser aplicada numa máquina de fazer pão.?
    E será que é possível usar o modo rápido ( 58 min na minha máquina) e o pão ficar bom?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Possível é, certamente. Tente adaptar os ingredientes a outra receita que tenha no livro da sua máquina e experimente. Se não calhar bem à primeira, faça os ajustes necessários.
      Seria o que eu faria ;)

      Eliminar

Gosto de o/a ter por cá! Não vá embora sem deixar o seu comentário ;)