quarta-feira, 24 de agosto de 2022

Triplo de frutos vermelhos e panna cotta




O que procurar no Verão: a silva

O género Rubus é constituído por espécies vulgarmente conhecidas como silvas. Em Portugal são onze as espécies nativas deste género da família Rosaceae. Uma das espécies mais abundantes, presente em todo o território é a Rubus ulmifolius, vulgarmente conhecida como amoras-silvestres (não confundir com a amoreira), silva, silva-brava ou silvado-bravo. 

Fruto silvestre, medicinal

O fruto da silva é doce e delicioso. É um fruto silvestre com propriedades nutricionais discretas, com uma presença marcante de vitaminas A, B (ácido fólico), C e K, fibra alimentar, minerais (ferro, manganês, etc.).

A amora-silvestre é um fruto doce e “picante” da floresta. Pode ser comida no momento da colheita, mas é quase impossível escapar a uns arranhões e picadelas. 

Como diz o ditado “… tudo tem um preço e ninguém dá nada a ninguém, nem mesmo as silvas!”.

O fruto da silva não se presta a longos períodos de armazenamento mas pode ser utilizado na preparação de compotas, sobremesas, iogurtes, gelados e geleia e até em sumos, xaropes, vinhos, aguardentes e licores. 

Além do interesse na culinária, a silva é muito usada na medicina popular. De entre as propriedades medicinais da silva, destacam-se a propriedade diurética, tónica, anti-hemorrágica, adstringente, anti-diabética, antiescorbútica e também a sua utilização no tratamento de distúrbios do sistema digestivo.


Informação: wilder.pt

 


 

 


Triplo de frutos vermelhos e panna cotta

 

Ingredientes

 
Gelatina de amora:
Panna cotta: 

  • 500 ml de natas
  • 1 vagem de baunilha
  • 2 folhas de gelatina
  • 1 colher (sopa) de rum branco

Morangos com balsâmico: 
  • 250g de morangos
  • 3 colheres (sopa) de açúcar
  • 1 colher (sopa) de vinagre balsâmico 

 


Preparação:

 

Gelatina de amora:  

Dissolva o doce de amora silvestre em 250 ml de água fria e reserve. Prepare a gelatina nos restantes 250ml de água a ferver, de acordo com as instruções da embalagem. Assim que esteja bem dissolvida misture a água fria onde desfez o doce de amora.
Coloque copos/taças em algo que os mantenha inclinados (usei uma caixa de ovos).
Deite neles gelatina, até quase alcançar a borda do copo e leve ao frigorífico para solidificar.

Panna cotta: 

Ferva durante 10 minutos as natas com o açúcar e a vagem de baunilha cortada a todo o comprimento. Junte a gelatina previamente demolhada e mexa. Junte o rum e retire a vagem de baunilha (pode guardá-la para aromatizar açúcar ou rum, que usará noutras receitas).
Deixe arrefecer e verta nos copos (em pé) onde já solidificou a gelatina. Leve ao frigorífico, novamente, para solidificar a panna cotta.

Morangos com balsâmico:

Coloque os morangos numa taça e adicione o açúcar e o vinagre balsâmico. Misture tudo e deixe macerar até o açúcar se derreter e formar um xarope - demora cerca de 30 minutos.

Distribua os morangos pelos copos/taças e leve ao frigorífico ou sirva de imediato.

 

Sem comentários:

Enviar um comentário